Arquivo da tag: seca

Ciclo da Seca: a chuva dá os primeiros sinais no Estado.

Os problemas no Brasil, como sempre, são resolvidos à curto prazo, é "a cultura da não solução". Em tempos de seca, muito se fala em projetos preventivos, daí vem a chuva e muda-se de assunto. Barragens, açudes, liberação de licenças ambientais, pesquisas e novos testes, e o plano deve ser anunciado em:... Fevereiro! Pronto choveu! Ano que vem voltamos para essa discussão! Ano após ano é feito repasse para o agronegócio que já vem se preparando para a crise. A agricultura está se capitalizando e o acréscimo recebido para amenizar os prejuízos da seca acabam servindo como financiamento, sem que os programas de prevenção saiam do papel. Existe otimismo no mercado de vendas de maquinários agrícolas nas feiras no Estado no início deste ano, portanto os agricultores estão capitalizados. Ontem na reunião do Conselhão, no centro administrativo do governo do Estado, autoridades municipais solicitaram apoio para pagar os prejuízos da seca, os 51,9 mil repassados pelo governo do Estado ainda é pouco para alguns. Os prefeitos mais uma vez reivindicam a autonomia municipal, por que somente eles conhecem as peculiaridades de cada comunidade. O promotor de justiça Alexandre Saltz, afirmou que o Estado não tem condições de resolver situações emergenciais por não possuir estratégias preventivas. O governo do RS tem o objetivo de desenvolver políticas permanentes de médio e longo prazo com programas de combate a seca. No momento, as medidas escolhidas pelo Estado são emergenciais. Segundo o secretário de obras públicas, irrigação e desenvolvimento urbano, Luiz Carlos Buzatto “as propostas do Plano Estadual de Irrigação, será lançado no mês de março”... (acredite se quiser). Enquanto isso, 339 municípios do RS decretaram situação de emergência e aguardam apoio do estado.

O tempo continua quente, mas à tarde pode ocorrer pancadas de chuva em Santa Maria
Os períodos de sol favorecerão o aquecimento com máxima que irão oscilar em torno dos 30°C
A frente fria que atua sobre o Estado mantém a instabilidade na maioria das regiões com previsão de pancadas de chuva alternando com períodos de sol. Ainda não se descarta a ocorrência de temporais em áreas isoladas.
Os períodos de sol favorecerão o aquecimento com máxima que irão oscilar em torno dos 30°C. O refresco ao calor intenso que tem predominado nos últimos dias irá ocorrer nos próximos dias. Na região de Santa Maria, o tempo continua quente, mas à tarde também ocorrem pancadas de chuva. A máxima prevista para a tarde é de 31º e a noite deverá fazer 22º.

Fonte: http://www.clicrbs.com.br/especial/rs/dsm/19,18,3658371,O-tempo-continua-quente-mas-a-tarde-pode-ocorrer-pancadas-de-chuva-em-Santa-Maria.html

Anúncios

Municípios gaúchos na expectativa, nova secretária geral do Governo no RS

Na matéria do jornal CORREIO DO POVO, abaixo, a nova Secretária Geral do Governo do Estado, Deputada Miriam Marroni, afirma NÃO TER EXPERIÊNCIA com o executivo (leia-se administração). A nova secretária assume com grande expectativa de todos os prefeitos do RS, na sua maioria de um partido diferente da nova secretária. Ela será responsável pelos projetos de INTERIORIZAÇÃO no RS. Em um contexto de falta de recursos para as muitas obrigações (saúde, educação, urbanização...) que os municípios tem a esperança de que o Estado compareça com mais recursos é muito grande, ainda mais depois da quebra de safra que tivemos com a seca de janeiro. (Charge: palavras.blog.br)

Miriam Marroni assume Secretaria Geral de Governo
Deputada disse que há 86 projetos para serem colocados em prática neste ano
A deputada estadual Miriam Marroni (PT) assumiu na manhã desta terça-feira a Secretaria Geral de Governo. Ela substitui Estilac Xavier, nomeado conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE). A liderança de governo na Assembleia Legislativa, que era desempenhada por Miriam, fica com o colega Valdeci Oliveira (PT).

Ao assumir a pasta, Miriam admitiu não ter experiência no Executivo, mas garantiu estar preparada. O governador Tarso Genro lembrou que também assumiu ministérios do governo Lula sem ter experimentos anteriores nas áreas que atuou, mas destacou que os políticos têm a habilidade necessária para lidar com esse tipo de questão. Segundo a deputada, há 86 projetos para colocar em prática em 2012. Um dos mais polêmicos– que será analisado por Miriam – trata da criação do modelo de pedágios que será adotado pelo Estado.

A pelotense comandará a pasta responsável pela gestão estratégica, integração de programas e projetos, interiorizações do governo, coordenação da política de tecnologia de informação e o acompanhamento dos programas do Governo Federal desenvolvidos no Rio Grande do Sul.

A secretária disse ainda não ter condições de responder se o Piratini deve entregar os nomes que constam no relatório concluído pela Comissão Processante que investigou irregularidades no Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer). A oposição na Assembleia Legislativa reivindica a lista com os 17 apontados.

Fonte: http://www.correiodopovo.com.br/Noticias/?Noticia=390110

ESTIAGEM: uma faca de dois gumes.

Agora é a hora de que mesmo?

De um lado o Governo com sua falta de compensação com perdas na economia e de outro lado o produtor o maior atingido pelas condições climáticas, mas o maior peso da balança ainda vai para as Prefeituras.

Estamos no mês do ano de discutir a seca. Todo janeiro é assim, os jornais ficam sem pauta e “caem pra cima” da estiagem. Todos os anos na estação verão é a mesma pauta, falta de chuva danifica as lavouras e causa prejuízos aos municípios, e causam mesmo, mas é aos municípios.

Enquanto o estado discute a menor verba possível que irá enviar para ajudar, as prefeituras discutem de onde irão tirar uns trocados para os combustíveis das retroescavadeiras e como justificar isso ao tribunal de contas na seqüencia.

Pois bem, vem a chuva, passa janeiro, e não se fala mais nisso. Seria a hora de se preocupar com ações preventivas para a seca que virá no ano seguinte? Não! É hora de gastar o dinheiro que veio do governo.

Quando o Governo vai entender que tem que investir em pesquisa para atuar da melhor forma em ações preventivas? Não basta doar, ano a ano, uma nova retroescavadeira às Prefeituras, a maioria dos municípios não tem nem como manter todo este equipamento.

Quando o Governo vai entender que cada região tem deficiências isoladas e necessidades diferentes?