Arquivo da tag: lixões

DESTINO DO #LIXO: PROBLEMA QUE CRESCE MAIS QUE AS SOLUÇÕES NO #BRASIL

Pesquisa aponta 1% no aumento de municípios com coleta seletiva de 2010 até 2011
Considerando que 40% da coleta seletiva no país é feita nas regiões sul e sudeste e apenas 10% nas demais regiões, o aumento na geração de lixo em São Paulo ainda é um dos menores problemas. Por outro lado, o menor dos problemas é um problema gigantesco e absurdamente mal resolvido. As políticas públicas de destinação de lixo ainda são retrógradas para o desenvolvimento do país.
O avanço da destinação de resíduos no Brasil foi de 9,7% em 8 anos (de 2000 a 2008). O problema a ser superado, como trata o texto ao lado, deverá levar mais de 80 anos se o avanço continuar neste ritmo.
Podemos ver diáriamente na novela da tv Globo “Avenida Brasil” como é a vida nos lixões (apesar de que a realidade não é tão bonita quanto a novela). Milhares de pessoas vivem do lixo, e isso não é trabalho escravo na visão do governo.
Inumeros são os problemas causados pela destinação incorreta do lixo, como é o caso da dengue, em que milhares de reais são gastos por ano em campanhas publicitárias de combate ao mosquito, enquanto milhões de larvas estão se criando em lixões e esgotos a céu aberto.
Quem sabe daqui a 80 anos todos estes problemas serão sanados…

60% dos municípios brasileiros não dão destino adequado aos resíduos sólidos

O Brasil avançou pouco no que se refere à gestão dos resíduos sólidos urbanos em 2011. Esta é uma das conclusões da nova edição do Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil, estudo da Abrelpe – Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais apresentado nesta semana, em São Paulo. A destinação final ainda aparece como o principal problema a ser superado.

De acordo com a publicação, no ano passado, 3.371 municípios brasileiros, 60,5% do total, deram destino inadequado a mais de 74 mil toneladas de resíduos por dia, que seguiram para lixões e aterros controlados, sem a devida proteção ambiental. “Com a quantidade de resíduos que tiveram destino inadequado no País seria possível encher 56 piscinas olímpicas em cada dia do ano. Outras 6,4 milhões de toneladas sequer foram coletadas, o que equivale a 45 estádios do Maracanã repletos de lixo. Os dados mostram que a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) ainda não começou a produzir efeitos e resultados concretos nos vários sistemas e nem no cenário atualmente implementado”, comenta o diretor executivo da Abrelpe, Carlos Silva Filho.

Segundo o estudo, quase 62 milhões de toneladas de resíduos sólidos foram geradas em 2011, 1,8% a mais que em 2010, percentual duas vezes maior que a taxa de crescimento da população no mesmo período. “Esse dado é importante, pois revela que o volume de geração cresceu em uma proporção menor do que nos anos anteriores, mas continua numa curva ascendente”, observa Silva Filho. A edição anterior do Panorama apontou um aumento de 6,8% na geração.

“Das 55,5 milhões de toneladas de resíduos coletadas em 2011, 58,1% foram dispostos em aterros sanitários”, acrescenta Silva Filho, ao destacar que o índice evoluiu apenas 0,5% em relação a 2010. A geração per capita média do País foi de 381,6 kg por ano, valor 0,8% superior ao do ano anterior.

Outro dado da publicação diz respeito aos recursos aplicados pelos municípios para custear os serviços de limpeza urbana. Em 2011, a média mensal por habitante foi de R$ 10,37, o que equivale a um aumento de 4% se comparado a 2010. “É ainda um valor muito inferior ao mínimo necessário para garantir a universalização dos serviços, tendo em vista uma gestão baseada na hierarquia dos resíduos, conforme preconiza a PNRS”, alerta o diretor da associação.

Dos 5.565 municípios brasileiros, 58,6% afirmaram ter iniciativas de coleta seletiva, o que significa um aumento de 1% em relação a 2010.

Fonte: http://www.ciclovivo.com.br/noticia.php/4847/60_dos_municipios_brasileiros_nao_dao_destino_adequado_aos_residuos_solidos/

http://www.ciclovivo.com.br/noticia.php/4847/60_dos_municipios_brasileiros_nao_dao_destino_adequado_aos_residuos_solidos/

Anúncios

OS MAIORES LIXÕES DO #BRASIL: #CIDADES QUE LIDERAM O RANKING NA PRODUÇÃO DE #LIXO

Sugestões para o país dos maiores e pior aproveitados lixões do mundo:
1) Seja mudado o chamado "padrão de consumo". Faz muita diferença se os consumidores passem a comprar produtos que tenham menos embalagem, com menos materiais e que sejam mais facilmente reaproveitadas, reutilizadas e recicladas. Mas, para isto, os consumidores também precisam de opções.
2) Seja mudada a legislação que regulmenta a produção de distribuição de embalagens. Os consumidores brasileiros muitas vezes não tem opção por embalagens mais sustentáveis. Um dos casos mais claros é o leite. O custo de produção e de reciclagem da embalagem do leite é maior para economia e o meio ambiente que o custo de produção do próprio leite.
3) Aqueles que produzem e distribuem embalagens para seus produtos sejam responsáveis pelo recolhimento e reutilização ou reciclagem destas embalagens.
4) Se fomente a formação de um mercado de materiais reciclados que de conta de um percentual mais significativo do lixo produzido no Brasil. Muito pouco do lixo reciclável acaba sendo reciclado, na faixa de 1 a 2% de todo o lixo consegue ser reciclado pelas usinas no Brasil.
5) Se fomente a produção e implementação de tecnologias voltada para soluções que dêem conta do lixo produzido no Brasil. Existem soluções tecnológicas para transformar o lixo em materias de construção, energia, tecidos e biomassa, mas estas tecnologias não estão implementada e adapatada as diversas situações brasileiras de produção do lixo.
6) Os catadores sejam respeitados como profissão e se lhes dê condições de trabalho com dignidade, material de segurança e condições de saúde. Muito diferente do regime de informalidade escravocrata que domina este mercado e que deixa os catadores na mais completa degradação profissional e humana, sem regulamentação ou reconhecimento de sua profissão essencial para o saúde e sustentabilidade das comunidades. (Foto: http://www.ciclovivo.com.br

No Brasil 228 toneladas de lixo urbano são produzidas diariamente, a maioria das cidades deposita seu lixo em aterros sanitários, e apenas 17,8% delas realizam coleta seletiva do lixo.
Dentre as principais capitais brasileiras, que mais produzem lixo, destacamos 10, as cidades do sudeste lideram o ranking.

  1. São Paulo vem em primeiro lugar produzindo 20 mil toneladas de lixo por dia;
  2. Rio de Janeiro, logo em seguida com uma produção diária de 8,3 t/dia;
  3.  Belo Horizonte vem em terceiro lugar com uma produção diária de 4,9 mil toneladas;
  4. Goiânia em quarto lugar com 3,2t;
  5. Brasília é a quinta colocada deste ranking, a capital Federal, produz 2,5t dia;
  6. Salvador, veM logo após com 2,49t;
  7.  Manaus, produz com 2,4t/dia e ocupa a sétima posição;
  8. Fortaleza em oitavo lugar com uma produção diária de 2,37 toneladas;
  9.  Belém produz 2 toneladas;
  10. Porto Alegre em último lugar no ranking das cidades mais sujas com 1,6 toneladas ao dia.

Em São Paulo o destino do lixo são os aterros sanitários destinando 15,4 toneladas. 4,2 toneladas vão para estações de compostagens e 0,3 para estação de triagem e apenas 0,1 toneladas é incinerada.

O Rio de Janeiro destina a maioria de 6,01 do lixo para aterros sanitários o mesmo faz Belo Horizonte com 4,2 t. Goiânia também destina 100% do lixo produzido para aterros sanitários. Brasília destina 2t do seu lixo para aterros controlados o mesmo faz Salvador destina quase a totalidade do lixo para aterros sanitários.

Manaus, a sétima colocada, destina todo o seu lixo para aterros controlados. A oitava do ranking, Fortaleza, destina toda a coleta para aterros sanitários. Belém distribui entre vazadouros a céu aberto e aterros sanitários. E Porto Alegre destina 1t do lixo produzido a aterros sanitários.

Fonte IBGE:  www.ibge.gov.br

IBGE: 17,8% das cidades fazem coleta seletiva do lixo
Do total de 5.564 municípios brasileiros, apenas 994 faziam coleta seletiva de seu lixo em 2008, ou apenas 17,86% do total. A informação é da Pesquisa Nacional de Saneamento Básico (PNSB), referente ao ano de 2008, divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O gerente da pesquisa, Antonio Tadeu de Oliveira, admitiu que o porcentual é pequeno, se comparado com o que é realizado neste sentido em outros países. “Mas podemos notar que, na pesquisa anterior, realizada em 2000, detectamos que apenas 451 municípios realizavam coleta seletiva”, disse, acrescentando que, em oito anos, o Brasil apresentou uma melhora expressiva.
A localidade que apresentou o maior número de municípios que realizavam coleta seletiva em 2008 foi a região Sul, com 454 cidades, seguida de perto pela região Sudeste (408 municípios); Nordeste (80 municípios) e Centro-Oeste (31 municípios). Em último lugar ficou a região Norte, com 21 municípios que realizavam coleta seletiva.

fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/geral,ibge-178-das-cidades-fazem-coleta-seletiva-do-lixo,597892,0.htm

Vida nos lixões: tema de #novela, assunto da conferência #RIO+20 e grave problema das grandes #cidades do Brasil

Rita, na novela Avenida Brasil é a própria encarnação televisiva de uma dos contextos mais desafiadores para quase todas as cidades brasileiras: a vida nos lixões. A personagem infantil da novela Avenida Brasil é o retrato da crueldade da “guerra do lixo” estabelecida dentro das grandes metrópoles do país.

Por Luciano Medina Martins

Mel Maia, a atriz mirim que interpreta Rita, na novela Avenida Brasil é a própria encarnação televisiva, devidamente novelizada e glamourizada, do maior desafio dos direitos humanos e da sustentabilildade para quase todas as cidades brasileiras, a vida nos lixões . Ela é o retrato da crueldade da “guerra do lixo” estabelecida dentro das grandes metrópoles do país.

A falta de recolhimento de lixo, a falta de separação de lixo, o baixo percentual de reciclagem de lixo e a forma fácil como pessoas podem se engajar informalmente nos batalhões de coletores, catadores e separadores de lixo que abastecem intermediários que vendem material reciclável que estão ganhando cada vez mais dinheiro são o scenario onde estão crescendo as crianças de rua, os sem teto e muitos dos retirantes do novo milênio.

Rita conta uma história de milhões de crianças brasileiras que trabalham nos maiores lixões do mundo, que são no Brasil. Vivendo em condições que violam os direitos humanos, o respeito as infância e as obrigações de educação da sociedade e do estado para com as crianças o personagem traz a tona o debate que é latente e muito diferente da novela de escândalos palacianos que lota as páginas de política dos jornais.

Em junho acontece uma das mais importantes conferências do mundo no Brasil, a RIO+20, e Rita é tranquilamente um dos ícones do debate que vai acontecer sobre desenvolvimento sustentável. Os diretores e produtores da novela estão de parabéns, provaram que novela é cultura e debate político, ambiental e social de relevância.

(abaixo a reportagem pulicada no portal da Rede Globo)

Mel Maia e Bernardo Simões serão Débora Falabella e Cauã Reymond

Atores mirins protagonizam amor de infância de Rita e Batata na primeira fase

Nada mais puro do que o amor infantil. É isso o que Mel Maia e Bernardo Simões vão mostrar com muito talento e graça em Avenida Brasil, que tem estreia prevista para 26/03. Na trama, eles interpretam Rita e Batata, personagens de Débora Falabella e Cauã Reymond na primeira fase. Ambos serão abandonados no lixão, onde se apaixonarão debaixo do teto da carinhosa mãe Lucinda.

Mel tem apenas sete anos e já vem dando um show de interpretação. Esta é a primeira novela da jovem atriz, que conta com a ajuda de Bernardo, que está em sua segunda novela, além de outras participações na TV. Os dois protagonizam cenas delicadas e de emoção que prometem balançar o público com o ar ingênuo e doce de crianças.

Espevitada que só ela, Mel Maia esbanja alegria pelos bastidores da novela. Mas sua personagem terá uma carga emotiva grande, que requer grande concentração. Mel classifica Rita como uma menina sofrida: “Sinto pena dela, enxergo nela uma menina muito sofrida e chateada. Mas, ao mesmo tempo, é corajosa.”

Bernardo também está entusiasmado com o papel e conta o que está achando de representar o personagem de Cauã Reymond quando jovem: “Muitas crianças gostariam de estar no meu lugar. Estou aproveitando bem, com o máximo de dedicação”.

Radiante com o trabalho, Mel garante que carreira de atriz já faz parte de sua vida. “É isso que quero para o resto da minha vida, até quando crescer”.

Acompanhe tudo o que acontece em Avenida Brasil e não deixe de conferir o trabalho dessa dupla!

Fonte: http://tvg.globo.com/novelas/avenida-brasil/Bastidores/noticia/2012/03/mel-maia-e-bernardo-simoes-serao-debora-falabella-e-caua-reymond.html