Arquivo da tag: eleições 2012

#Twitter nas #Eleições2012: É impossível proibir o canto dos pássaros

por Luciano Medina Martins

É possível censurar as mídias sociais e controlar o conteúdo político compartilhado nelas? O TSE acredita que sim.Uma resolução do Tribunal Superior Eleitoral, em vigor desde 13 de dezembro de 2011 e que trata sobre a propaganda eleitoral de 2012, disciplina a utilização desta modalidade de divulgação que traz novidades para o pleito eleitoral municipal.
A propaganda na internet estará liberada a partir do dia 6 de julho e poderá ser feita em sítio do candidato, com endereço eletrônico comunicado à Justiça Eleitoral e hospedado, direta ou indiretamente, em provedor de serviço de internet estabelecido no País. Poderá ainda ocorrer em sítio do partido ou da coligação, com endereço eletrônico também comunicado à Justiça Eleitoral; por meio de mensagem eletrônica para endereços cadastrados gratuitamente pelo candidato, partido ou coligação, e ainda por meio de blogs, redes sociais, sítios de mensagens instantâneas e assemelhados, cujo conteúdo seja gerado ou editado por candidatos, partidos ou coligações ou de iniciativa de qualquer pessoa natural.
Mas a resolução proíbe a veiculação de qualquer tipo de propaganda eleitoral paga na internet. Também é vedada, ainda que gratuitamente, a veiculação de propaganda eleitoral em sítios governamentais ou de pessoas jurídicas, com ou sem fins lucrativos. A violação da norma sujeita o responsável pela divulgação da propaganda e o candidato beneficiário, quando comprovado seu prévio conhecimento, à multa que varia entre R$ 5 mil e R$ 30 mil.

Fonte: regionaljornal.blogspot.com.br

A recente decisão do TSE, em que através de uma normativa proíbe o uso da internet para campanhas é mais uma dessas normas jurídicas que já nascem mortas, por nunca terem tido vida. O TSE se expõe ao ridículo ao tentar opinar e se impor em uma matéria da qual não dispõe conhecimento ou experiência para tratar. Imagine como é difícil para um juiz de carreira opinar sobre nanocondutores, ou sobre cirurgia cerebral ou ainda sobre pesquisa de partículas. Decisões sobre assuntos técnicos, para os quais os juízes não tem formação para tratar, precisam estar abalizados por laudos técnicos e opiniões de especialistas nas áreas, o que não ocorreu no caso da PROIBIÇÃO DO USO DA INTERNET para fazer-se campanhas políticas antes do prazo legal, e acabou dando no que deu: um vexame.

Imagine querer proibir a chuva, ou proibir a incidência do sol, ou o cantar dos pássaros. O Twitter (corruptela para o verbo em inglês que se refere ao cantar dos pássaros) não tem como ser contido ou controlado quanto ao seu conteúdo justamente pelo formato deste microblog. Por uma razão semelhante é impossível controlar o conteúdo de todas as ligações telefônicas de uma nação inteira, assim como é impossível controlar o que as pessoas compartilham em redes sociais, microblogs e outros áreas do chamado cyberspace, ou mais especificamente do Twitter.

O governo Chinês proibiu em seu território este famoso microblog de mensagens curtas, sem muito sucesso, isto com todo o aparato repressivo disponibilizado para as autoridades chinesas. Mesmo assim a chamada “Revolução Jasmin” continua, e os protestos contra a falta de liberdade política na China não param. Do alto de suas excelsas torres de marfim os ministros do TSE acreditam que com um “canetaço” podem proibir as pessoas de falarem sobre quem elas quiserem nas redes sociais e microblogs, sejam estas pessoas atores de TV, candidatos a prefeito ou a menina bonita da esquina.

As novidades sempre assustam aqueles que não as conhecem direito, parece que estamos diante de uma destas situações. Sem entender direito como funcionam as redes sociais os altos juristas do TSE acreditam, ingenuamente, que podem proibir as “campanhas políticas” pelas redes sociais. Quando a pessoa de um candidato encontra seus amigos, casualmente, em um passeio pelo shopping isto é campanha? Quando as pessoas falam de uma pessoa, que é canditada, em uma mesa de bar, isto é campanha? Quando um candidato pendura uma faixa com seu nome dentro de sua sala de estar, isto é campanha? Claro que estas situações não são campanha, mesmo que um candidato peça votos, quando encontra seus amigos na esquina de sua casa, isto não é uma “campanha” sob o ponto de vista formal, é simplesmente interação pessoal.

Sob o ponto de vista dos conceitos jurídicos o TSE tropeçou, assim como muitas das instituições brasileiras, na diferença entre o público e o privado, entre o que está no âmbito pessoal e faz parte da vida privada das pessoas, e daquilo que é público e atinge o andamento dos poderes públicos (legislativo, executivo e judiciário). No Brasil o tempo todo se confunde o público e o privado, e nossos tribunais não estão fora da confusão. Assim como é absurdo e confuso querer controlar o conteúdo de uma ligação telefônica, que é privada, também é absurdo querer controlar o conteúdo das mensagem compartilhadas nas redes sociais e microblogs, que são privados. Mesmo que as empresas que operam as linhas telefônicas sejam concessões públicas, seu conteúdo é privado.

Como dica libertária a todos os candidatos ao pleito de 2012 pode-se tranquilamente afirmar que o TSE pode querer proibir os candidatos de pedirem votos, mas nada impede as pessoas que NÃO SÃO CANDIDATOS de falarem de suas preferências políticas e eleitorais, e, por isso, a norma do TSE simplesmente chove no molhado e cai na vala das leis que não tem como serem aplicadas. Assim como em outros países onde os governos são repressivos das manifestações políticas, no Brasil vale a mesma regra para todos os ativistas e candidatos, sejam espertos e aprendam a burlar estas normas mal elaboradas e que afrontam liberdades básicas e inalienáveis, por princípio.

Anúncios

#Eleições2012: Quem cresce e quem diminui? A dança das cadeiras partidário.

Os 5.565 municípios brasileiros fazem das eleições municipais as maiores do país em número de candidados, criatividade nas coligações e apelos que vão do santinho ao churrasquinho, passando pelo velho rol de promessas de calçamento, emprego, sapato, bolsa e vaga na escola. Em eleições mais evoluídas é vetado aos candidatos prometerem aquilo que a lei lhes obriga a fazer como gestores (educação, saúde, segurança). Mas no Brasil dos impunes as pessoas querem acreditar que seus representantes eleitos irão pelo menos CUMPRIR AS LEIS. A pesquisa da CNM, que promete sobe e desce de partidos, nos anuncia que precisaremos de novidades para conquistar o eleitor. Mesmo com as restrições da legislação muitos candidatos já estão dando os "ares" de como prentendem se comportar nas eleições municipais de 2012. (Charge do caraubashotnews.com.br)

Realocação de forças

Pesquisa encomendada pela Confederação Nacional de Municípios (CNM) revela que a maioria dos partidos brasileiros perdeu força para a disputa de 2012 em relação à eleição anterior. O PMDB elegeu, em 2008, 1.199 prefeitos e agora conta com 1.181; o PSDB tinha 789 e hoje conta com 736. O PT elegeu 553 e agora governa 564 prefeituras, sendo um dos poucos partidos que obteve crescimento no período. O PP ganhou em 549 municípios e hoje está com 514. O DEM dos 500 prefeitos eleitos está com 395. Já o recém-criado PSD, que não elegeu nenhum candidato, hoje em dia conta com 272 prefeitos pelo País.

Autor: Adão Oliveira

Fonte: http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=91511

SOLUÇÕES LOCAIS PARA PROBLEMAS GLOBAIS

Quase todas as cidades brasileiras vivem o grande desafio a sustentabilidade. Lixões gigantescos que são o cenário de degradação ambiental e humana, contaminação do solo, do ar e da água por atividades econômicas com pouca sustentabildade, gestão precária de recursos hídricos, problemas de saneamento e tratamento de afluentes poluídos, desmatamento descontrolado, falta de energia, entre outras situações comuns  que precisam de solução urgente, vão muito além de um problema de gestão do marketing.

(Foto: sierraclub.typepad.com)

Para agravar este contexto a maior parte (90% a 95%) dos impostos arrecadados não permanecem dentro dos municípios que geraram as riqueza e que precisam dar conta do impacto ambienta causado pela geração destas riquezas.

Os municípios e seus munícipes conhecem os problemas de perto, e dão os melhores exemplos, no Brasil e no mundo, de como solucioná-los. Na conferência da ONU, Rio+20, sobre desenvolvimento sustentável, que irá acontecer em junho,  a contribuição dos prefeitos, vereadores, líderes comunitários, pequenos produtores rurais, e pequenos empresários, para a solução de grandes problemas globais de meio ambiente e padrões de consumo é de alta relevância.

A atenção de todos os pesquisadores sobre sustentabilidade e desenvolvimento sustentável se volta para dentro das cidades e para os micro universos que, no caso do Brasil, clamam por mais recursos e mais autonomia.

O comentário do publicitário Nizan Guanaes, abaixo transcrito, confirma a tendência de necessidade de darmos mais poder e recursos para os municípios.

(publicado no Jornal do Comércio)

O debate municipal é global

O novo ciclo de desenvolvimento do Brasil tem tudo a ver com a cidade de São Paulo

por Nizan Guanaes

Este é o século das cidades. Das grandes cidades. E, portanto, a era dos prefeitos. Dos grandes prefeitos. O prefeito de uma metrópole como o Rio de Janeiro é uma personalidade global. É um estadista.

Já, já veremos nascer uma ONU das cidades. E os G-8 e G-20 das cidades terão tanto poder quanto os agrupamentos de países.

Alguns políticos brasileiros já perceberam isso. Se entrasse na política hoje, eu olharia a carreira de Eduardo Paes, o primeiro prefeito global do País. O
homem que colocou o sarrafo da administração municipal lá em cima. Até porque o sarrafo dele é olímpico.

Vejo isso no dia a dia, pois vivo entre Rio e São Paulo. E o que se discute no Rio é o que se discute em Londres, Nova Iorque e Melbourne. O Rio caminha a
passos largos para ser a metrópole do século XXI. As metas de sustentabilidade do Rio são ambiciosas, claras e factíveis.

São Paulo, que é a cidade maior do país, não pode e não deve ficar para trás, discutindo na próxima campanha eleitoral aquela lenga-lenga de sempre. É obvio  que os problemas são os “de sempre”. Só que as soluções mudaram, e novos problemas surgiram.

Qualidade de vida hoje em São Paulo é morar perto de onde você trabalha. Só que para isso os nossos candidatos a prefeito devem procurar ouvir a Marisa
Moreira Salles e o pessoal do Arq.Futuro, e não apenas as pesquisas de opinião, porque o eleitor não pode antecipar necessidades que não sabe que tem.

Porque não dá pra querer comandar São Paulo sem ouvir o Phillipe Starck. Que, aliás, trabalha uma semana por mês na cidade.

Está na hora de termos um plano urbano audacioso e à altura de São Paulo. Algo que traduza e produza a energia e a ambição desta cidade. Um Faria Lima 2.

Que tal chamar o Alexandre Hohagen, do Facebook, o Fabio Coelho, do Google, e usar a capacidade da internet para repensar os serviços públicos e a organização urbana?

A maior empresa americana de pensar fora da caixa, a Ideo, trabalha hoje em São Paulo, seu time é de munícipes do futuro prefeito e vive ajudando as maiores  empresas brasileiras a serem mundiais, pensarem de outra forma: inspiraria o debate municipal.

Não é bom ouvir a Cisco, a HP, a Microsoft e a Apple sobre como melhorar o trânsito? Porque a tecnologia pode tirar muito mais gente do trânsito do que a
velha engenharia de trânsito. Que tal construirmos um tecnoanel em paralelo ao Rodoanel? E se dermos isenção de impostos para as pessoas trabalharem à noite?  Por exemplo, não pagam IPTU. É claro que eu já comecei a falar bobagem. Mas falar bobagem é o primeiro passo para chegar a coisas diferentes e  revolucionárias.

Um dos grandes passos é mudarmos do marketing político para o marketing público. O marketing político pensa o eleitor, o marketing público vai além e pensa o  cidadão. O marketing político faz a campanha, o marketing público ajuda a pensar políticas públicas. Ou seja, o marketing tradicional pensa na venda, o  marketing moderno, na experiência de comprar, no problema, na fidelização.

São Paulo é a cidade mais energética do País. O novo ciclo de desenvolvimento do Brasil tem tudo a ver com a cidade. Seu “cluster” financeiro comanda nossa
integração crescente e lucrativa com os fluxos de capital globais. Seus serviços de alta qualidade atraem gente do Brasil todo e de muitos países para seus
hospitais, seus ativos culturais e muito mais.

Temos que tirar a arte dos museus e colocá-la nas ruas. Revigorar o nosso centro. Revolucionar a educação desta cidade e botá-la pra concorrer com Xangai e  Bangalore.

Enfim, tocar fogo no debate municipal. Para que os mais jovens assistam aos programas eleitorais.

Em outubro São Paulo vai eleger seu líder global: o prefeito de São Paulo, o homem que vai nos representar no planeta em plena era das cidades. Que vai
conversar com Michael Bloomberg e com o prefeito de Londres. Que vai decidir quantas horas da minha vida eu vou passar no trânsito, o síndico deste mega
prédio de 11 milhões de pessoas (um Portugal).

Não há nada de municipal neste debate municipal. Ele é global. É bom os eleitores não esquecerem isso. E os candidatos e seus homens de marketing também.

Autor: Nizan Guanaes
Fonte: http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=90284

#Twitter nas eleições 2012: Liberdade de expressão é crime eleitoral?

*Por Eugênio Bucci

Image

Participar de uma rede social é um direito do cidadão, da mesma forma que o direito de ir e vir. Tudo muda quanto à sua forma de utilização. imagem: http://migre.me/8nXlH

Dura lex, obsoleta lex

Há uma semana o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) adotou uma decisão, data venia, desconcertante: proibiu que candidatos a cargos eletivos digam no Twitter que são candidatos. A proibição estende-se aos partidos políticos. Assim, acabou valendo para a famosa rede social dos 140 caracteres a regra que já é aplicada ao rádio e à televisão: propaganda de candidatos, só depois do início oficial do período de campanha eleitoral. Os políticos e seus partidos só poderão falar de suas candidaturas no Twitter depois do dia 5 de julho. O veredicto gerou mal-estar.

A egrégia Corte registrou um escore deveras apertado: quatro ministros favoráveis ao veto derrotaram outros três que não viam razão para adotá-lo. Foi algo inesperado. Aqui, poderíamos dizer do Poder Judiciário o que frequentemente falam do futebol: de vez em quando ele se revela uma caixinha de surpresas. É verdade que ainda não nos encontramos diante daquele cenário irrecorrível a que dão o nome de trânsito em julgado. Ainda existe margem para que a decisão seja revista. Com base nisso, um partido político, o PPS, tenta obter uma reconsideração da matéria, recorrendo ao Supremo Tribunal Federal. Veremos no que vai dar.

Ninguém aqui, neste espaço, pretende ensinar a razoabilidade a jurisconsultos. Lembremos que, fora esse incidente, o TSE vem conquistando visibilidade mundial, claramente positiva, como um tribunal em que a justiça é ágil e avançada. Que fique bem claro: não é o caso de criticar nominalmente nenhum dos ministros da Corte. Não há dúvida de que o princípio que os move é a proteção do eleitor diante dos eventuais abusos do poder econômico, que tem condições de mobilizar suas máquinas de propaganda e, com isso, desequilibrar a disputa. O que cabe a um artigo de jornal, nesse caso, é apenas uma tentativa de compreender e debater o fundamento da posição que prevaleceu. Em que tipo de raciocínio essa decisão se apoia? Quais são suas bases lógicas?

Não há muita polêmica em relação aos parâmetros que regem a campanha política nas emissoras de rádio e de televisão. Essas regras se tornaram um consenso nacional. Na TV e no rádio a campanha só pode ir ao ar dentro de um período determinado – o período eleitoral, esse mesmo que será aberto agora, no dia 5 de julho, e que se estende até a data em que o eleitor vai às urnas. A Justiça Eleitoral também distribui a exposição dos candidatos nas emissoras de acordo com a representatividade das coligações partidárias. Nada mais justo. Se um único partido, ou um candidato, pudesse fazer mais propaganda que todos os demais só porque tem mais dinheiro, poderia viciar a eleição. Claro que em outros países, como nos Estados Unidos, onde o sistema se baseia no bipartidarismo, os efeitos da propaganda paga são menos perversos. No Brasil, porém, com essas dezenas de siglas cujas identidades se confundem, um único partideco endinheirado pode promover a maior confusão e melar o jogo.

Em nosso país, em suma, o equilíbrio da disputa depende de uma repartição racional do tempo de TV e de rádio entre os vários candidatos. Isso é a expressão da justiça. Para o bem do eleitor e da democracia, a exposição das diversas candidaturas nos meios de comunicação de massa – rádio e TV – precisa ser disciplinada por lei.

Se isso é válido para a TV, por que não seria válido para o Twitter? Aqui provavelmente repousa a armadilha em que caiu a decisão do TSE. A analogia, nesse caso, carece de fundamento lógico. Pior ainda: se artificialmente aplicada, produz injustiça. Não é tão difícil entender por quê.

As emissoras de rádio e televisão são feitas de espaços e tempos finitos, uma característica que as diferencia total e radicalmente das redes sociais da era digital. Numa cidade cabem apenas algumas estações de rádio e TV – e, dentro delas, o dia tem apenas 24 horas. Não mais. Daí que, no caso das eleições brasileiras, com as particularidades do nosso sistema partidário, assegurar por lei que os partidos tenham lugar proporcional dentro delas é indispensável para o equilíbrio da campanha. Sem isso os partidos mais ricos acabariam comprando os espaços que poderiam ir para os partidos mais pobres e teríamos assimetrias insanáveis.

Isto posto, muita atenção: com o Twitter, o espaço e o tempo não são finitos. Simples assim: não são finitos. Todo mundo pode postar o que quiser, por quantas horas quiser, quantas vezes quiser. É o cidadão que vai decidir, depois, o que quer ler e quando, mais ou menos como numa grande biblioteca virtual: os conteúdos estão todos lá, à espera de quem os queira, e o leitor é que vai escolher o que ler. Mais ainda: se ele quiser deixar para ler mais tarde, a mensagem continuará lá, não vai fugir pelos ares.

Quando um candidato diz alguma coisa no Twitter, ele não se está apropriando de um tempo ou de um espaço que poderiam ser de outro candidato. Não há distorção, não há iniquidades. Além disso, não é necessário dinheiro para que alguém coloque qualquer mensagem no Twitter. Trata-se de um canal aberto a todos os que nele se queiram manifestar. Portanto, as redes sociais não podem nem devem ser equiparadas ao rádio e à televisão para efeitos de campanha eleitoral. Nelas, franquear a todos o direito de voz é o melhor caminho para se alcançar o equilíbrio.

Fora o que, há o critério protojurídico do ridículo, que, se bem observado, previne a tentação das decisões ineficazes. Como se pode impedir alguém de se declarar candidato se esse alguém vive repetindo isso nos jornais, nas palestras, nos seus telefonemas, nos seus e-mails? O Twitter não é propaganda paga, mas um fato da vida, como as notícias, as salas de aula, as conversas entre amigos (ainda que entabuladas em público).

Proibir um sujeito de falar de si mesmo numa rede social é um pouco ridículo.

*Jornalista, professor da ECA-USP e da ESPM
fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,dura-lex-obsoleta-lex-,851730,0.htm

#Eleições 2012: O Twitter pode ou não pode?

PPS entra amanhã com Adin contra proibição do Twitter - O Partido Popular Socialista (PPS) deve impetrar nesta terça-feira (20), no Supremo Tribunal Federal (STF), Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) contra a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) proibindo o uso da rede de micro blogs Twitter antes do início da campanha eleitoral, no dia 6 de julho. Na manhã desta segunda, o presidente nacional da legenda, Roberto Freire, chegou a dizer, em sua página no Twitter, que a ação seria impetrada hoje, mas o site da sigla informou nesta segunda à noite que a ação será encaminhada amanhã (20). Para Freire, a decisão do TSE em proibir manifestações dos políticos no Twitter viola o direito de livre pensamento previsto na Constituição. Ele classificou a decisão de "equivocada" e espera que o STF derrube a medida. Roberto Freire já havia dito, também na rede de micro blogs, que a ditadura iraniana tentou proibir Twitter depois das eleições fraudadas. "Nossa democracia quer proibir antes!", ironizou. A decisão do TSE em proibir o uso do Twitter antes do início oficial da campanha municipal deste ano é resultado do julgamento do caso envolvendo o ex-deputado federal Índio da Costa (PSD), que foi multado em R$ 5 mil na campanha presidencial de 2010, em razão da divulgação de mensagem na rede social, pedindo votos para o então presidenciável tucano José Serra, do qual era vice. fonte: http://migre.me/8mnuC

TSE: Candidatos só podem utilizar Twitter em campanha a partir de 6 de julho

“É como proibir as pessoas de cochichar”, afirmou o ministro relator, para quem o Twitter não pode ser definido como meio de comunicação como na legislação eleitoral.

É lei. Lei das Eleições (Lei 9.504/97), que só permite a propaganda eleitoral a partir do dia 6 de julho do ano do pleito. E como este ano é ano de eleições municipais, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu nesta quinta-feira, 15/3, que a propaganda eleitoral feita por candidato e partido político pelo Twitter antes do dia 6 de julho é ilícita e passível de multa. Os ministros entenderam que o Twitter é um meio de difusão de massa e que, assim como ocorre no rádio e na TV, a propaganda só deve ser autorizada a partir da data definida na legislação.

Por maioria (4×3), o plenário do TSE decidiu ainda manter a multa de R$ 5 mil aplicada ao ex-candidato à Vice-Presidência da República em 2010 pelo PSDB, Indio da Costa, por veicular no Twitter mensagem eleitoral antes do período permitido.

Os ministros Aldir Passarinho Júnior, Marcelo Ribeiro, Arnaldo Versiani e o presidente do TSE, Ricardo Lewandowski, se posicionaram pela manutenção da multa e pela proibição da propaganda eleitoral de candidatos e partidos pelo Twitter antes do período admitido pela legislação. Já a ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha, o ministro Dias Toffoli e Gilson Dipp votaram contra.

Ao finalizar a votação, o presidente do TSE, ministro Ricardo Lewandowski, destacou que “os cidadãos, que não estiveram envolvidos no pleito eleitoral, podem se comunicar à vontade. O que não pode é o candidato divulgar a propaganda eleitoral antes da data permitida pela lei”, afirmou o ministro Lewandowski, garantindo a liberdade de expressão.

A decisão em plenário foi contrária ao voto-vista do ministro Gilson Dipp, para quem o Twitter, embora mecanismo de comunicação social, não pode ser definido como meio de comunicação geral, com destinários indefinidos, não se enquadrando, portanto, nos conceitos dos dois artigos da Lei das Eleições, mesmo com as alterações nela introduzidas pela Lei 12.034/2009.

As regras já valem para as eleições municipais deste ano, e caso o candidato desrespeite entendimento do TSE, pode receber multa que varia entre R$ 5 mil e R$ 25 mil.

(*) Com informações do site do TSE]
fonte: http://idgnow.uol.com.br/internet/2012/03/16/tse-candidatos-so-podem-utilizar-twitter-em-campanha-a-partir-de-6-de-julho/

Eleições 2012 ON LINE

Image

As redes sociais são hoje um espaço de todos, a democratização das novas tecnologias está expandindo a participação das pessoas na política e aproximando os políticos de seus eleitores. O acesso à internet não é mais uma prerrogativa da elite. Todas as classes sociais estão na rede, opinando, participando, criticando, é o espaço mais próximo dos cidadãos com seus governantes. Muitos políticos, hoje, já interagem com seus eleitores pelo twitter ou pelo facebook. Com as eleições municipais se aproximando, mais e mais candidatos estão reconhecendo às redes como ferramenta para aumentar sua popularidade. Pois bem, a interlocução através das redes sociais já é um caminho sem volta, uma “mania”, seria a ascensão de uma nova política? Uma política mais interativa? Uma política mais social? As redes sociais vieram para oferecer a possibilidade de um debate mais aberto e plural. A comunicação “nem tão interpessoal” é uma tendência em expansão, ganha àquele que interagir com ela.

2012: o fim da campanha offline

Começou mais um ano eleitoral.
2012 será um ano marcante para a história político-eleitoral brasileira. Viveremos as primeiras eleições após a democratização, de fato, do acesso à internet e a consolidação das redes sociais junto a todas as parcelas da sociedade.
É fato que em algumas cidades bem próximas a Campina Grande o efeito das mídias sociais e móveis ainda será limitado ao baixo grau de interesse e à impossibilidade da população para delas fazer bom uso, principalmente pela falta de conhecimento, de educação e de programas de inclusão digital.
Mas aqui, na Rainha da Borborema, as redes sociais deverão se transformar em um capítulo à parte da eleição, ou melhor, deverão se transformar em uma eleição à parte e com grandes chances de influir decisivamente na campanha do mundo real.
Quero crer que todos os prováveis candidatos a cargos majoritários já estejam plenamente conscientes disso, preparando suas estratégias e, principalmente, seus estrategistas e seus pelotões de soldados virtuais para a série de batalhas que ocorrerá na internet. E, lembro sempre, nem sempre aquele marqueteiro super criativo que lhe garantiu a vitória estrondosa ainda no primeiro turno sequer consegue perceber como se dá a dinâmica das redes sociais. Acha que ainda não vale a pena investir nesse campo… Quem aposta?
Obama: twiteiro sem nunca ter usado o twitter
O maior exemplo de rasteira dada pelas redes sociais foi a que sofreram os opositores de Barack Obama nos EUA. Não acreditaram na força das novas mídias e foram atropelados por um candidato que tinha como principal meio de comunicação direta com o eleitor o twitter e meses depois de eleito confessou jamais ter usado, pessoalmente, a ferramenta.
Se nas eleições passadas as metas eram colocar milhares nas ruas durante as passeatas, bater o recorde de pessoas em um comício ou conseguir quilômetros e quilômetros de carros e motos nas carreatas, agora os candidatos deverão buscar emplacar suas hashtags nos trending topics, viralizar seu vídeo do youtube para conseguir mais acessos que os concorrentes e gerar buzz permanente no facebook, na forma de compartilhamentos e “curtimentos”, seja com conteúdo “oficial”, seja com material produzido (ou que pareça ser…) pelos próprios internautas.
Não há ainda dados seguros que atestem que a quantidade de eleitores “online” será capaz de decidir diretamente a vitória nas urnas, mas a correta utilização das “batalhas virtuais” da campanha, principalmente com a repercussão nos meios tradicionais, será com absoluta certeza o fiel da balança na parte, digamos, regulamentar das eleições (a outra parte é aquela das madrugadas pré-eleições e do trabalho de cooptação de eleitores mediante pagamento, onde nem a mídia tradicional e nem, muito menos, a Justiça Eleitoral têm qualquer influência).
Será preciso muito cuidado. O eleitor online é, em sua maioria, bem diferente do tradicional componente de claque. Se alguns serão remunerados e se dedicarão integralmente ao embate virtual, outros – a maioria – precisarão ser conquistados a cada dia e só se empenharão de verdade na defesa e multiplicação dos programas de seus candidatos se perceberem que são tratados por esses candidatos como acham que merecem. O candidato deve estar sempre atento e acessível, responder a TODAS as solicitações de interação nas redes sociais e contribuir para as estratégias da campanha virtual, seja adaptando sua agenda de campanha com a inclusão de ferramentas de compartilhamento nos meios sociais, seja com a realização de eventos completamente direcionados para estas mídias.
Candidato bom será candidato online e full time.
O eleitor vai querer saber onde está o candidato a cada momento, pelo Foursquare, vai querer ver fotos de todas as suas atividades (inclusive as privativas, como reuniões estratégicas e encontros pessoais) no Flickr, vai querer acompanhar o diário atualizado da campanha no blog do candidato, vai querer ver vários vídeos da campanha por dia no Youtube e, sobretudo, vai querer que tudo isso lhe seja disponibilizado em tempo real nas timelines do twitter e facebook.
Pela primeira vez os candidatos terão à sua disposição uma importantíssima ferramenta de feedback para saber se esta ou aquela liderança atrai ou afasta eleitores, como as pessoas reagem às suas propostas de governo ou quais os assuntos que mais ajudam ou atrapalham sua penetração junto a determinadas parcelas do eleitorado. Aliás, a palavra de ordem dessa campanha virtual será SEGMENTAÇÃO, que, com as ferramentas apropriadas, possibilitará atingir cada target de maneira efetiva e segura, sem ruídos e sem desvios de foco e, principalmente, acompanhar minuto a minuto o desempenho de cada tema ou ideia junto ao público.
Posso afirmar com absoluta certeza que as redes sociais serão a segunda mais importante mídia dessa campanha, atrás apenas das inserções de TV e à frente do próprio horário eleitoral gratuito, que este ano será muito mais visto pela internet, sob demanda, do que em sua exibição tradicional. Eventos de rua precisarão passar por um processo de reformulação para que possam ecoar com rapidez e força nos perfis dos participantes (teremos comícios e passeatas com WiFi?), imagens marcantes precisarão ser minuciosamente previstas para que sejam viralizadas rapidamente, “memes” nascerão e poderão transformar-se em verdadeiros fenômenos, então será preciso muito cuidado para que eles trabalhem a favor do candidato e, sempre que possível, contra o oponente.
Embora já possa ser considerada uma mídia de massa, a internet precisará ser vista e tratada a partir de seus inúmeros nichos e trabalhada com estratégia capilarizada e estrutura multinível. Trabalho de formiguinha mesmo, ativo, passivo e interativo. E a parte mais importante de todas será a monitoração, para conseguir detectar desde o início as potenciais ameaças ou trunfos. Qualquer ato ou palavra impensada poderá dar início a um turbilhão de críticas capaz de destruir todo o trabalho de construção da marca e da imagem do candidato ou de suas propostas.
E para quem pensa em colocar aquele “sobrinho, conhecido ou assessor que mexe com internet” para cuidar das estratégias de mídias sociais, pode parar e pensar melhor, pois corre o risco, com esse descuido, de deixar escapar a vitória. Internet é Meio + Mensagem. É preciso dominar os dois. Adaptações devem ser feitas com muito cuidado e nem toda boa ideia é recebida como planejado. Algumas se transformam em verdadeiros fiascos e até contribuem para a oposição. É imprescindível ser rápido, tanto para identificar oportunidades de avanço quanto para reconhecer necessidades de recuo e mudança de rumo.
O bom humor deve estar presente, mas com responsabilidade e sem exageros. A crítica deve ser muito bem fundamentada e qualquer problema apontado deve sempre estar acompanhado de uma sugestão de solução.
O mais importante de tudo é saber com quem se estará lidando e qual a linguagem correta a ser utilizada. Os programas de TV não poderão simplesmente serem “postados”. Terão que ser adaptados, não apenas no conteúdo, mas, também, na linguagem, com som mais limpo (música mais baixa), imagens mais próximas e planos mais longos, que funcionam melhor nas telas menores. Novas linguagens também deverão ser buscadas, como os vlogs, as webséries, os curtas, os documentários e os pequenos comerciais criativos.
Aliás, CRIATIVIDADE será o diferencial dessa nova campanha. Uma criatividade diferente, online, instantânea e antenada com o que ocorre aqui e no mundo todo.

E que vença o melhor, ou melhor, o mais CONECTADO!

texto de: Emerson Saraiva

fonte: http://www.emersonsaraiva.com.br/2012/01/2012-o-fim-da-campanha-offline.html