Operação #tartaruga deixa transporte #público lento nesta quarta feira (15) na #capital

30nov2012---pessoas-aguardam-em-ponto-de-onibus-nesta-sexta-feira-30-em-porto-alegre-apos-duas-horas-de-reuniao-na-madrugada-funcionarios-da-companhia-de-transporte-publico-carris-porto-alegrense-1354276311227_615x300

Com passagens a R$ 2,80 o trabalhador ainda têm que enfrentar a greve de outros trabalhadores que trabalham muito e recebem pouco. Até onde vai a exploração do transporte público de POA?
Quem depende de ônibus para trabalhar enfrenta diáriamente um transporte ruim, com ônibus lotados e acreditem compartimentos que deveriam transportar cadeirantes que não funcionam.
O trânsito está cada vez mais caótico, com mais pessoas optando por se locomover com seus próprios veículos. Será que Porto Alegre têm estrutura para suportar grandes eventos mundiais quando mal consegue suportar o próprio crescimento urbano?

O transporte urbano de Porto Alegre entra mais uma vez em protesto por melhores salários através da operação tartaruga, já bastante conhecida na capital.

Na noite de ontem os rodoviários realizaram assembléia no ginásio tesourinha (av. Érico Verissimo – Cidade Baixa) para tratar sobre a questão. Os trabalhadores não aceitaram a proposta de reajuste salarial feita pelo Sindicato das Empresas de Ônibus de Porto Alegre (Seopa). A proposta das empresas era de reajuste salarial com base na inflação medida pelo INPC no período de 1 de fevereiro de 2013 até 31 de janeiro de 2014, cujo índice definitivo deverá ser publicado até meados do mês de fevereiro. A entidade patronal também propôs renovar as demais cláusulas da convenção coletiva vigente como vale-alimentação, passe livre gratuito, quinquênio e garantia da função de cobrador.

Em nota, o Seopa diz que a proposta é resultado de um “esforço das concessionárias para atender, ainda que parcialmente, às demandas dos seus trabalhadores”. “Em função do cenário de indefinições que envolvem a tarifa de ônibus da Capital, o Seopa considera estar sendo coerente com a realidade enfrentada, e diz ter agido com responsabilidade evitando prometer algo que não possa cumprir”, aponta o texto.

Conforme a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), a lentidão mais crítica era verificada, por volta das 9h, em locais como Túnel da Conceição, Osvaldo Aranha, Paulo Gama e no corredor da Farrapos.

Fonte: JC

Flagre o #lixo da sua #cidade

Participe do Grupo FLAGRE O LIXO DA SUA CIDADE no Facebook, clique e denuncie!

https://www.facebook.com/groups/lixonasruasdobrasil/

Multas para quem joga lixo no chão, em Porto Alegre, começam a valer em abril

lixoCódigo de #Limpeza Urbana entra em vigor quarta sem aplicação de #regras que pesarão no #bolso

Se você costuma comer um lanche e descartar a embalagem no chão, ou depositar a caliça da obra em um terreno baldio, além de demonstrar falta de educação, estará cometendo infrações passíveis de multa. É o que prevê o novo Código Municipal de Limpeza Urbana, que será sancionado hoje pelo prefeito de Porto Alegre José Fortunati. A lei só começará a ser aplicada a partir de 7 de abril.

No primeiro trimestre, o Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU) trabalhará no planejamento das ações. A lei deverá ser implementada por regiões da cidade — ainda não foi definida onde a fiscalização terá início. Os detalhes sobre o código serão divulgados à população a partir do dia 3 de fevereiro. De acordo com o diretor-geral do DMLU, André Carús, não está prevista a distribuição de cartilhas informativas impressas justamente para evitar que o material seja descartado em via pública.

— A lei tem de ter efeito educativo. A população tem de se sentir inibida a descartar o resíduo — afirma.

No Rio, projeto diminuiu em 60% o lixo nas ruas

As infrações são divididas em categorias, conforme a gravidade: leve, média, grave e gravíssima (veja ao lado). Hoje, 35 fiscais realizam, mediante denúncia, a fiscalização e autuação do depósito irregular de lixo na Capital. Com a nova legislação, as multas ficam mais caras. Se o infrator não pagar, ficará com o nome sujo na praça.

— Sempre houve multa, mas além de ser irrisória, não tinha mecanismo legal que amparasse o DMLU a cobrar. Essa lei deve mudar a crença na fiscalização — diz Flávia Bernardes, coordenadora em exercício do departamento de fiscalização da entidade.

Após cinco meses, o Projeto Lixo Zero foi capaz de diminuir em quase 60% a quantidade de resíduos nas ruas em algumas regiões do Rio de Janeiro. Vinicius Roriz, presidente da Companhia Municipal de Limpeza Urbana, atribui os bons resultados à atuação intensiva do grupo de fiscalização junto à Guarda Municipal.

Para autuar estrangeiros, a solução foi firmar convênio com a Polícia Federal para impedir a saída na alfândega. Para brasileiros, quem não paga a multa tem o nome inscrito no Serasa.

*Colaborou Lara Ely

Valores previstos por descarte irregular de lixo, conforme a gravidade da infração

LEVE
R$ 263,82
— Jogar no chão papéis, invólucros, embalagens ou assemelhados.
— Fazer triagem ou catação no lixo disposto na rua.
— Acondicionar resíduos orgânicos em sacos plásticos com capacidade superior a cem litros.
— Veículos que vendem alimentos de consumo imediato sem recipientes de resíduos orgânicos e recicláveis, com capacidade para comportar sacos de no mínimo 40 litros.

MÉDIA
R$ 527,65
— Não acondicionar resíduos em sacolas plásticas antes da coleta.
— Não separar o lixo domiciliar em resíduos orgânico e recicláveis.
— Falta de recipientes que garantam a separação do lixo para clientes em estabelecimentos comerciais.
— Deixar de manter limpa a área de atuação — no caso de feirantes, artesãos, agricultores ou expositores —, acondicionando os resíduos em sacos plásticos.

GRAVE
R$ 2.110,60
— Desrespeitar os dias e turnos estabelecidos pelo DMLU para a coleta dos lixos orgânico e reciclável.
— Depositar resíduos sólidos recicláveis no interior dos contêineres destinados exclusivamente à coleta automatizada de lixo orgânico.
— Jogar em qualquer área pública ou terreno resíduos sólidos de qualquer natureza (até cem litros).
— Varrer a sujeira de dentro do prédio, de terrenos ou calçadas para a rua.

GRAVÍSSIMA
R$ 4.221,21
— Descarte de materiais cortantes ou pontiagudos em embalagem inadequada (o objetivo é evitar ferimentos aos garis).
— Descarte em logradouros públicos de resíduos decorrentes de decapagens, desmatamentos ou obras.
— Depositar em riachos, arroios, córregos, lagos e rios resíduos que causem prejuízo à limpeza ou ao ambiente.
— Danificar equipamentos de coleta automatizada.

O CALENDÁRIO
Fase de planejamento: de 9 de janeiro a 2 de fevereiro
Fase de divulgação da lei e sensibilização da população: de 3 de fevereiro a 6 de abril
Aplicação da lei: a partir de 7 de abril

COMO SERÁ A FISCALIZAÇÃO?
Serão montadas blitze em pontos específicos da cidade. Os agentes devem se aproximar do infrator, informar da multa e pedir que ele se identifique com documentos e e-mail. Na hora, o cidadão recebe o tíquete manual e, depois, será enviado um e-mail com o valor a ser pago. A prefeitura não tem verbas para comprar equipamentos eletrônicos para imprimir a multa na hora, como no Rio. O apoio da Brigada Militar poderá ser solicitado.

O QUE ACONTECE SE A MULTA NÃO FOR PAGA?
É transformada em dívida ativa. O infrator fica impedido de retirar documentos na prefeitura, como certidões negativas, exigidas na compra de um apartamento, por exemplo.

SE O MEU CÃO FIZER COCÔ NA CALÇADA?
O dono do mascote pode ser multado em R$ 263,82. É bom sempre lembrar de sair de casa com uma sacola na mão para os passeios com os pets.

Fonte: ZH

Caxias do Sul testa novo sistema de coleta de lixo

ImageEstão sendo instaladas na cidade gaúcha, ainda em fase de teste, lixeiras subterâneas.

Caxias dá o exemplo mais uma vez por ser a primeira cidade latina a testar o sistema. Além de limpa e organizada a cidade investe em tecnologias.

Fonte: Jornal do Comércio

Hospital totalmente equipado há 12 anos nunca foi inaugurado em Barra do Ribeiro

11639603Frente Parlamentar quer que hospital atenda pacientes da Região

Barra do Ribeiro, localizada há cerca de 80 km de Porto Alegre, abriga um hospital com 50 leitos, ambiente climatizado, gerador de energia, sala cirúrgica, laboratório de análises clínicas, maternidade, raio X e diversos outros equipamentos que poderiam permitir o atendimento do município de 23 mil habitantes e região.

Presidente da Frente Parlamentar Pró-abertura do Hospital de Barra do Ribeiro no Legislativo gaúcho, o deputado Jurandir Maciel busca a viabilização da abertura e uso efetivo da instituição, que há 12 anos permanece fechada. Segundo o parlamentar o Hospital de Bara do Ribeiro vêm de encontro com a necessidade que o Estado possui em descentralizar a saúde de Porto Alegre para o interior, diminuindo o enorme tráfego de ambulâncias pelas estradas. Maciel enfatiza que “Está mais do que na hora de começarmos a pensar em saúde para as pessoas”.

Deputados pedem aumento de 100% para os 100 procedimentos de média complexidade mais executados em hospitais Filantrópicos e Santas Casas

Em 20 de março o RS será sede do 3º encontro de Frentes Parlamentares de Hospitais Filantrópicos e Santas Casas da região Sul

RS, SC e PR irão debater financiamentos da saúde e soluções para o endividamento de hospitais.

saude[1]No RS as Santas Casas e entidades sem fins lucrativos estão presentes em 245 unidades hospitalares, elas representam mais de 15,5 mil leitos do Sistema ùnico de Saúde (SUS) e empregam mais de 58 mil profissionais.

Em busca de melhores condições para os hospitais filantrópicos o deputado Jurandir Maciel esteve representando a Frente Parlamentar de Apoio às Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas na Área da Saúde do RS em uma reunião em São Paulo, nesta segunda feira 25.

Na ocasião foi elaborado um pedido a ser encaminhado ao Ministro da Saúde solicitando que sejam aumentados em 100% os 100 procedimentos de média complexidade mais executados em hospitais Filantrópicos e Santas Casas.

No dia seguinte, terça feira 26, o deputado seguiu à Brasília com uma comitiva representado todas as Frentes Parlamentares dos Estado para entregar este documento, em mãos ao Ministro da Saúde Alexandre Padilha, ao presidente do Senado Renan Calheiros e ao presidente da Câmara dos Deputados Luis Eduardo Alves.

A Frente parlamentar de apoio às Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas na Area da Saúde quer garantir o funcionamento de entidades no RS e encontrar soluções para o endividamento adquirido por elas ao longo dos anos “neste momento é preciso promover um refinanciamento para estas casas” afirmou o parlamentar.

Na parte da tarde, Jurandir Maciel participou de encontro das Frentes Parlamentares dos Estado e  das Federações das Santas Casas de Misericórdis de todo Brasil promovido pela Frente Parlamentar Federal de Apoio às Santas Casas, Hospitais e Entidades Filantrópicas na área de saúde.

fonte: Assembléia Legislativa

#Saúde: Interior do Estado precisa de mais investimentos

ambulancioterapia“Ambulancioterapia” é o termo que serve para descrever o método adotado pelas prefeituras do interior do Estado que mandam pacientes para tratamentos especializados em Porto Alegre (POA)

A falta de investimentos na saúde nos municípios do interior faz com que as prefeituras busquem, cada vez mais, atendimento na capital. Desta forma as filas dos hospitais em Porto Alegre aumentam a cada dia.

Para 2013, o Governo do estado anunciou que 12% do orçamento será destinado para a saúde. O que está faltando é maior investimento na implantação de melhores sistemas de saúde no interior do estado em macrorregiões. Isso evitará o deslocamento de pacientes por dezenas e centenas de quilômetros até Porto Alegre. Este movimento envolve uma série de outros problemas como os frequentes acidentes nas estradas envolvendo ambulâncias, morte de pacientes durante o tempo de transporte, investimentos nestas conduções e tantos outros casos como é o caso das superlotações dos hospitais da capital e baixa qualidade nos atendimentos.

Jurandir Maciel

Ato de instalação de Comissões para legislatura 2013 na Assembléia Legislativa/RS

O deputado gaúcho, Jurandir Maciel (PTB/RS), conhecido como o deputado da Saúde na Assembléia Legislativa vem lutando para a implantação de um novo Plano Estadual de Saúde que irá contemplar os municípios descentralizando os atendimentos da capital. Na tarde de ontem (14/02) foram definidos os nomes titulares das comissões que irão atuar em cada área na legislação de 2013. Jurandir Maciel foi titulado como membro da Comissão de Saúde, que segundo o parlamentar “será o viés para a concretização de seus planos para melhoria do atendimento da saúde”.

 

9 Gaúchos fizeram a diferença na votação dos #royalties do #petróleo

#Votação da bancada gaúcha foi decisiva na vitória da nova distribuição de #royalties

A votação do requerimento de preferência teve uma decisiva participação da bancada gaúcha. Uma votação apertada (220 x 211) que pendeu em favor dos municípios do Rio Grande do Sul e do Brasil por apenas 9 votos. Estes exatos nove votos foram de 9 deputados gaúchos, o deputado Onyx Lorenzoni proponete do requerimento substitutivo da Câmara e os deputados Afonso Hamm PP, Danrlei De Deus Hinterholz PSD, Enio Bacci PDT, Giovani Cherini PDT, Luis Carlos Heinze PP, Nelson Marchezan Junior PSDB,Ronaldo Nogueira PTB,Sérgio Moraes PTB, Vilson Covatti PP, corajosamente votaram contra o substitutivo do governo Dilma apresentado pelo relator, deputado federal do PT paulista, Carlos Zarattini.

Segundo os cálculos da CNM (Confederação Nacional de Municípios) os municípios e o estado do Rio Grando do Sul, pelo susbstitutivo do Deputado Zarattini, perderiam, já no próximo ano, 100 milhões de reais, não fossem estes 9 gaúchos que fizeram a diferença em favor de uma distribução mais justa de um bem que é de todos os brasileiros e não só daqueles que tem vista para o mar.ysyy

Abaixo nominados os deputados federais gaúchos que merecem nossos aplausos e cumprimentos, que votaram SIM, pelo requerimento de preferência. Também estão listados aqueles que apoiaram, pelo seu voto negativo ou por sua ausência, o projeto do governo que retiraria recursos importantes dos nossos municípios no presente e no futuro. Os que votaram por NÃO dar aos municípios uma fatia mais justa dos royalties do Petróleo esqueceram que os municípios recebem a menor fatia de impostos arrecadas e tem que cumprir com altas responsabilidades na saúde, educação e saneamento.

É importante lembrar que de acordo com o cálculo da CNM em 2013 os estados e municipios repartarirão 8.75% de todos o royalties arrecadados no Brasil, mas que em 2020 serão 54%. Estima-se que em 2020 o Rio Grande do Sul deverá receber mais de 2 bilhões de reais em recursos provenientes de royalties do petróleo brasileiro.

Afonso Hamm PP Sim
Alceu Moreira PMDB Não
Alexandre Roso PSB Não
Assis Melo PCdoB Não
Bohn Gass PT Não
Danrlei De Deus Hinterholz PSD Sim
Darcísio Perondi PMDB Não
Eliseu Padilha PMDB Não
Enio Bacci PDT Sim
Fernando Marroni PT Não
Giovani Cherini PDT Sim
Henrique Fontana PT Não
José Otávio Germano PP Não
José Stédile PSB Não
Luis Carlos Heinze PP Sim
Luiz Noé PSB Não
Manuela D`ávila PCdoB Não
Marco Maia PT Art. 17
Marcon PT Não
Nelson Marchezan Junior PSDB Sim
Onyx Lorenzoni DEM Sim
Osmar Terra PMDB Não
Paulo Ferreira PT Não
Paulo Pimenta PT Não
Renato Molling PP Não
Ronaldo Nogueira PTB Sim
Sérgio Moraes PTB Sim
Vilson Covatti PP Sim
Total Rio Grande do Sul: 28

fonte: blog do Onyx