Arquivo da categoria: mobilidade

Pelo menos 18% do #salariomínimo de cada trabalhador é investido em #transportepúblico em Porto Alegre

Agora, em Porto Alegre, as passagens de ônibus custam R$ 2,95, enquanto o salário mínimo alcança R$ 724,00. Na soma da ida e da volta do trabalho, o transporte custa para o trabalhador R$ 5,90.

Onibus-lotado_1

Essa imagem é rotina para os portoalegrenses que pagam R$ 2,95 pelo transporte público

Aqueles que trabalham 5 dias úteis no mês, gastam em média 22 passagens de ida e 22 de volta,  o que resulta na soma de R$ 129,80. Isso representa  18% do salário mínimo.

Considerando 22 dias úteis e 8 horas trabalhadas, cada pessoa investe mais de uma hora/dia somente para pagar o transporte, já que uma hora trabalhada equivale a R$ 4,11.

Ok! Mas em quais condições o trabalhador investe esses 18% de sua renda?

Ônibus lotados, sem segurança, pessoas em pé no corredor com motoristas que não respeitam o excesso de velocidade.

Aí eu faço duas perguntas:

1-      Por que o motorista de carro é obrigado a usar sinto de segurança para a sua proteção e para não ser multado?

2-      Por que quem utiliza o transporte público pode ficar em pé no corredor, sem a menor segurança?

Qual é a diferença?

Somente consigo visualizar um comum entre essas duas perguntas, que é a segurança das pessoas.

Fique atento!

Você que é eleitor, sabe o que o seu parlamentar está fazendo por você em relação ao transporte público?

O vereador Pedro Ruas (P-SOL) está coletando assinaturas para instalação de uma CPI, e até o momento somente 10 vereadores apoiaram a sua proposta. Veja matéria no Jornal do Comércio de hoje: http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=158757

O legislativo da capital conta com 36 parlamentares.

Fique de olho, este ano, teremos novas eleições, muitos vereadores irão concorrer a vagas na Assembléia Legislativa. Acompanhe a política perto de você e ajude a mudar!

Anúncios

#RIO+20: países emergentes, economia de mercado, valor agregado, lucratividade, quem irá sobreviver sem sustentabilidade?

United Nations Conference on Sustainable Development

por Luciano Medina Martins                                                                                                                         A necessidade de reorganizarmos a produção e o consumo, para que a atividade econômica seja ambientalmente sustentável, justifica-se pela noção de que de que sem sustentabilidade ambiental não sobreviveremos; e, se sobrevivermos, o legado por nós deixado não será muito promissor.Não ter rentabilidade e lucro, ou extinguir os recursos necessários para que as economias produzam renda e sobrevivam são pontas do mesmo fenômeno. A economia de ganhos em escala, das grandes plantas industriais e altamente impactantes para o meio ambiente, dos modelos econômicos intervencionistas e planificados ou dos conglomerados de oligopólios privados dependentes da boa relação com governos e órgãos reguladores, estão sendo questionados, pela realidade do desgaste do meio ambiente, quanto a sua eficiência, tanto sob o ponto de vista ambiental quanto econômico e social.O que se percebe no Brasil, onde os oligopólios dependentes do oxigênio fornecido por governos fortes, políticas intervencionistas e centralizadoras, é que ambos modelos; privado oligopolista ou estatal oligopolista, tem que ser profundamente repensados para que a sociedade consiga produzir alimentos, energia e habitação para todos nas próximas décadas e séculos.A realização de uma conferência sobre desenvolvimento sustentável no Brasil, a Rio+20, poderá ser o palco a nos revelar o que já sabemos virtualmente: o quanto difícil é debater sobre soluções simples, locais e sustentáveis em um país acostumado a centralização de decisões de administração pública e a centralização de recursos vindos de impostos; a não ouvir os agentes locais e suas realidades; e a desprezar modelos econômicos autônomos que não estejam ligados ao grande investimento governamental vindo da autoridade central.A entrevista de Marcelo Durão, abaixo transcrita, é um exemplo das dificuldades que se irá encontrar na RIO+20, e que podem engessar o debate. De um lado, esquerdistas que demonizam o lucro e o mercado, como se esses fossem seres de outro planeta que querem devorar os humanos; e do outro lado, ruralistas endividados por monoculturas centenárias que demonizam os ambientalistas e seus protestos. No meio do fogo cruzado das velhas esquerdas e direitas, teremos ambientalistas, economistas da sustentabilidade, pesquisadores sobre meio ambiente, entre outras matizes de movimentos verdes que vieram depois de Lutzemberger.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                       Pacto Federativo e o desenvolvimento sustentável
O caso de amor e ódio do Brasil com a economia sustentável tem um viés tributário determinante. As soluções locais, microregionalizadas, municipalizadas, autônomas e menos dependentes de decisões centralizadas, ou centralizadoras, e de tecnologia muito cara, tem como principal obstáculo a inversão da pirâmide arrecadatória, que também se convencionou chamar de “quebra do pacto federativo”. Ou seja, os municípios brasileiros ficam com a menor parte dos impostos arrecadados, esta parcela é de menos de 10% , enquanto 60% fica com a União Federal, e por volta de 30% é retida pelos Estados federados. Sem recursos e com muitas obrigações quanto a saúde, educação infantil, urbanização e mobilidade os municípios, e as comunidades que formam as municipalidades, ficam sem recursos para investir e fomentar soluções locais e sustentáveis.É natural que os melhores especialistas sobre as culturas e realidades locais estejam junto a estas comunidades, mas, sem recursos, dependem da boa vontade de um governo central dominado por prerrogativas políticas que se sobrepõe a tudo e a todos, nenhuma discussão sobre soluções para o desenvolvimento sustentável da economia consegue dissipar a pesado aparelhamento partidário dos governos e ao muro intransponível da centralização de recursos.Uma das tarefas mais árduas do debate sobre o desenvolvimento sustentável recai sobre todos os movimentos municipalistas do Brasil. Estes movimentos precisam estar atentos a enorme oportunidade que surge com a Rio+20 de tornar o debate sobre a autonomia dos municípios uma parte do próprio debate sobre a economia sustentável no Brasil.Prefeitos, munícipes e ativistas dos movimentos municipalistas precisam se organizar em torno do debate sobre o desenvolvimento sustentável ou simplesmente o debate na Rio+20 será dominada por movimentos que tem pouca relação com os processos da economia real e com propostas factíveis de avanço nos modelos de produção e consumo que hoje dominam nossa economia. E isto seria no mínimo lamentável. 

#BIKES RECICLÁVEIS: GARRAFAS PET AGORA PODEM VIRAR BICICLETAS

ImageGarrafas PET viram bicicletas

As garrafas PET são feitas de material reciclado e podem ser transformado em diversos utilitários depois de descartadas. A novidade agora são “bikes”!

Criado no Brasil, o projeto do artista plástico Juan Muzzi é resultado de anos de pesquisa e testes. O autor da idéia, já patenteada como a primeira bicicleta reciclável do mundo, conta que “a bicicleta é mais resistente, flexível e barata porque o plástico não enferruja e a fabricação transforma resíduos em um novo produto”.

São necessárias duas mil garrafas plásticas para a confecção de uma bicicleta, e a montagem leva nada menos que 2 minutos, veja o vídeo.

Juan está trabalhando agora em uma cadeira de rodas reciclável. Vamos aguardar pra conhecer outra criação genial do artista.

Fonte: Planejamento Urbano Emergencial: http://www.facebook.com/pages/Planejamento-Urbano-Emergencial/166137580099093

Saiba mais: http://www.muzzicycles.com.br/

VEJA O VÍDEO COM A MONTAGEM DA BICICLETA:

É BOM CAMINHAR EM SUA CIDADE?

Enxurradas estragam calçadas – Moradores de Porto Alegre reclamam dos diversos o, principalmente buracos, em áreas do Centro e dos bairros. (texto: http://portoimagem.wordpress.com, foto: Gilberto Simon)

Os dias de chuva em Porto Alegre agravam um problema visível em ruas de todos os bairros: o mau estado de conservação das calçadas, que causam todo o tipo de transtorno. O estudante Felipe Machado, que trabalha no Centro e mora no Partenon, comentou: “Caminhando pelo Centro a impressão que se tem é de abandono. Em dias de chuva tem buraco e acúmulo de água em quase todas as calçadas”. “Onde moro é quase tudo paralelepípedo. Até que está melhor por lá”, acrescentou o estudante.

Morador da rua Riachuelo, o chaveiro Sérgio Candido assiste de camarote aos reflexos da falta de qualidade das calçadas da cidade. “Idosos, mulheres que andam de calçado aberto e os homens que andam de sapato precisam ficar atentos, pois, do contrário, voltam para casa com o calçado ou até a roupa suja”, afirmou o profissional, que trabalha na Rua dos Andradas.

A Secretaria Municipal de Obras e Viação (Smov) é responsável pela conservação das calçadas de prédios públicos e locais que não têm meio-fio. A conservação dos passeios é de responsabilidade do proprietário.

As reclamações podem ser feitas por telefone ou ainda por meio da página da Smov no site http://www.portoalegre.rs.gov.br/smov. Depois da reclamação, a demanda entra na rotina da fiscalização. A denúncia passa por triagem, é separada e distribuída entre as regiões Sul, Norte e Centro. O prazo médio para o reparo é de 15 a 30 dias, dependendo da situação da calçada. No ano passado, a Smov emitiu mais de mil autuações e quase metade deste total foi registrada no Centro. Confirmada a falta de conservação da calçada, a multa pode chegar a R$ 1.082,90.

Autor: Correio do Povo
Fonte: http://portoimagem.wordpress.com/

Foto do monastério franciscano de Dubrovnik, na Croácia, cidade apontada pela revista Frommer como uma das melhores para fazer turismo á pé. (Photo by Nantela/Dreamstime.com)

(abaixo o publicado na portal da Revista EXAME)

As 10 melhores cidades do mundo para caminhar

Há lugares no mundo dominados por carros, outros, mais eco-amigáveis, são perfeitos para os ciclistas, mas ainda tem aqueles onde a vida se resolve, fácil, só na sola do sapato

Autora: Vanessa Barbosa para revista EXAME

O transporte mais ecológico
São Paulo – Motoristas distraídos, ônibus lotados, calçadas pequenas e insuficientes, ruas mal iluminadas à noite…A lista de “pedras” no meio do caminho de quem vive nos grandes centros urbanos costuma desanimar até os mais entusiastas do estilo de vida ecofriendly. Quantas vezes você já não pensou em como seria bom ir e vir a pé do trabalho, do cursinho de língua, ou do shopping no final de semana? Há cidades onde isso é possível, com ruas que convidam à realização das mais variadas atividades do cotidiano, tudo usando apenas os pés – uma super máquina de transporte ecológica que não emite um grama sequer de CO2.

Prova disso é a lista do guia Frommer´s das Melhores Cidades do Mundo Para Caminhar (no inglês, “The World´s Most Walkable Cities”). Em comum, elas conservam paisagens belíssimas, recheadas de áreas verdes, ar limpo, parques estoenteantes e acredite, moradores mais alegres – segundo estudos do centro americano Walk Score, cidades que propiciam um bom trânsito público deixam as pessoas mais felizes. Então que tal dar uma voltinha? Clique nos slides a seguir e confira a seleção dos paraisos para pedestres.

Fonte: http://exame.abril.com.br/economia/meio-ambiente-e-energia/sustentabilidade/noticias/as-10-melhores-cidades-do-mundo-para-caminhar

Link relacionado:
http://www.frommers.com/slideshow/index.cfm?group=391&p=1

#Acessibilidade para todos

Direito de ir e vir todos tem, isto está assegurado por lei na constituição Federal. Desenvolver a acessibilidade em um ambiente é promover condições de mobilidade com autonomia, eliminando as barreiras arquitetônicas e urbanísticas nas cidades e promover a saúde ao priorizar a Acessibilidade em seus projetos. Sensibilizar-se para o problema das pessoas com deficiência já significa um grande passo rumo à acessibilidade. Muitos espaços de nossas cidades, como ruas, passeios, edifícios públicos, comerciais e residenciais são locais freqüentados por uma grande diversidade de usuários. Em razão disso, eles devem atender ampla gama da população, considerando as variações de tamanho, sexo, peso e diferentes habilidades ou limitações que as pessoas possam ter.

Municípios apostam em acessibilidade

Apesar de 14,5% da população brasileira ter algum tipo de deficiência, a falta de acessibilidade nas cidades ainda é uma realidade em todo o país. São 25 milhões de pessoas que ainda não tem assegurado seu direito de ir e vir. Por isso Uberlândia (MG), Goiânia (GO) e Campinas (SP) estão servindo de modelo em áreas como transporte, acessibilidade e eliminação de barreiras, transporte público urbano e habitação.

O prefeito de Joinville, maior Município catarinense, com 500 mil habitantes, Carlito Merss, conta a experiência de tornar Joinville acessível. “Quando aceitamos o desafio de ser uma das primeiras cidades a ser considerada acessível, sabíamos que estávamos assumindo um compromisso e um desafio. Queremos ser uma referência para o Sul do país”, destacou.

A coordenadora do comitê de acessibilidade de Joinville, Rita de Cassia, explica à Agência CNM, que o primeiro passo foi montar um plano de ação e tornar acessivel os prédios públicos. “Os orgãos públicos já tem rampas e os imovéis com mais de 50 anos estão em processo de adequação”. Outro ponto interessante do plano de ação, é que o Município não emite alvará de funcionamento para estabelecimentos sem acessibilidade. “Temos mais de 90 mil deficientes e são pessoas que consomem, pagam impostos, então merecem ter seus direitos como qualquer outra”, enfatiza a coordenadora.
A prefeitura ainda criou uma facilidade que está transformando o Município: dependendo do tamanho da propriedade, o dono tem desconto no Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). Além disso, o parque da cidade que foi inaugurado ano passado está todo acessível e a praça Tirandentes outro ponto turistico do Município também oibserva o modelo. “A prefeitura segue a lei de acessibilidade e no final todo o Município ganha”, reitera a coordenadora.

Para o presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski, “O direito à escola, à educação inclusiva é fundamental. É importante que isso seja garantido. Quando foi ratificada a convenção da ONU (Organização das Nações Unidas) das pessoas com deficiência, em 2008, o Brasil aderiu à convenção é uma das normas é a acessibilidade”, afirmou o lider municipalista.

Investimento em Uberlândia

Para a administração municipal de Uberlândia (MG), acessibilidade é coisa séria. Hoje o Município pode se orgulhar de estar entre as cidades de médio porte no país com o maior índice de acessibilidade, tais como: escolas, transporte acessível por ônibus ou vans, unidades de atendimento integral (UAIS) e um corredor de transportes.

A Prefeitura de Uberlândia promoveu uma seleção para elaborar a cartilha de acessibilidade, que é mais uma ferramenta de apoio técnico disponível para ajudar a sanar dificuldades e contribuir para que o Município continue se orgulhando do título de exemplo de boas práticas em acessibilidade.

Uberlândia tem 100% da frota de ônibus adaptada e acessível para deficientes. “Todos os veículos têm idade média menor que 1 ano e são adaptados com elevadores, para oferecer comodidade e segurança às pessoas com deficiência”, explicou o prefeito Odelmo Leão.

Campinas acredita que “acessibilidade, é respeito”

Entre as iniciativas de Campinas (SP) que destacaram o Município estão o elevador adaptado no Paço Municipal, a construção de 18 novas estações de transferências para usuários do transporte público e a construção de 2 mil rampas de acesso. A prefeitura também ampliou o Programa de Acessibilidade Inclusiva (PAI), que disponibiliza transporte exclusivo para deficientes, e atualmente conta com 1,2 mil usuários, e da frota de veículos adaptados.

A representante do Conselho Municipal de Campinas, Ida Célia Palermo, destacou que as atuais conquistas são mérito da luta das pessoas com deficiência. “O que o Poder Público está fazendo hoje é uma conquista da força do movimento da pessoa com deficiência. A gente faz parte de uma luta que não é apenas para as pessoas com deficiências, mas para toda sociedade”, salientou. O Município tem a Comissão Permanente de Acessibilidade através da qual o cidadão pode sugerir iniciativas e relatar dificuldades. Para Célia, somente quem vive a experiência sabe dos obstáculos diários. “Muitas vezes, os cadeirantes desistem de sair de casa pensando nas dificuldades. Acessbilidade, é respeito “, conclui a representante.

fonte: CNM
http://www.cnm.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=19594&catid=34&Itemid=182

Vídeo

#Direito de ir e vir será assegurado na #Rio+20

Image

Direito de ir e vir todos tem, isto está assegurado por lei na constituição Federal. Desenvolver a acessibilidade em um ambiente é promover condições de mobilidade com autonomia, eliminando as barreiras arquitetônicas e urbanísticas nas cidades e promover a saúde ao priorizar a Acessibilidade em seus projetos. Sensibilizar-se para o problema das pessoas com deficiência já significa um grande passo rumo à acessibilidade. Muitos espaços de nossas cidades, como ruas, passeios, edifícios públicos, comerciais e residenciais são locais freqüentados por uma grande diversidade de usuários. Em razão disso, eles devem atender ampla gama da população, considerando as variações de tamanho, sexo, peso e diferentes habilidades ou limitações que as pessoas possam ter.

Para associação, Brasil mostra vontade política de discutir acessibilidade

O presidente da Associação Niteroiense dos Deficientes Físicos (Andef), Guilherme Ramalho, disse que o Brasil está discutindo o tema acessibilidade “com mais seriedade e vontade política”. Ele se referiu aos preparativos da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, que ocorrerá no Rio entre os dias 20 e 22 de junho próximo.

Ramalho disse que é preciso acesso em áreas como transporte e estacionamento. “É uma questão até de lógica. Não precisa ser entendido no assunto, nem especialista, para ver que falta quase tudo. Faltam áreas para estacionamento, banheiros adaptados, tudo isso faz parte da questão da acessibilidade”, disse.

Ele colocou a Andef à disposição dos organizadores da Rio+20. A entidade tem engenheiros e arquitetos especializados que poderão colaborar no que for necessário para garantir acessibilidade aos participantes do evento.

Para o presidente da Andef, é uma missão quase impossível atingir o nível de Europa ou da América do Norte em termos de acessibilidade no Rio e garantir que a conferência da ONU seja cem por cento acessível. “Mas a gente tem que procurar melhorar, tem que evoluir, seguir o exemplo de outros países que estão mais evoluídos nesse item, para chegar perto”.

Ramalho lembrou que pessoas com deficiência virão de todas as partes do mundo para o evento e, por isso, o assunto tem que ser tratado com seriedade e empenho.

fonte: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/ciencia-e-saude/2012/03/15/interna_ciencia_saude,293391/para-associacao-brasil-mostra-vontade-politica-de-discutir-acessibilidade.shtml

 

Ir e vir é um direito de todos – assista o vídeo

 
links relacionados:
http://www.proservnet.com.br/colunistas/index.asp?secao=leartigo&VarIdArtigo=147&Colunista=16&Lateral=colunista

http://colunistas.ig.com.br/guilhermebarros/2010/03/19/senac-sao-paulo-faz-exposicao-de-fotos-feitas-por-deficientes-visuais/acessibilidade-todos-tem-o-direito-de-ir-e-vir-com-total-independendia-quis-mostrar-nesta-foto-o-caminhar-de-um-dv-sobre-o-piso-tatil/

 

#RIO+20: Cidades estão no foco das soluções sustentáveis

Cidades estão no foco das soluções sustentáveis e da mobilidade

De 13 a 23 de junho acontece a Conferência Rio+20 no Rio de Janeiro. São esperadas milhares de pessoas, que vão se locomover diariamente até o Centro de Convenções Riocentro, na Barra da Tijuca, zona oeste da cidade.

O tema em questão será as cidades e como elas se posicionam na discussão sobre o desenvolvimento sustentável urbano. Um dos debates deste encontro será definir o que realmente é uma cidade sustentável dentro das realidades regionais.

Prefeitos do mundo inteiro estarão participando deste encontro, além de organizações e redes nacionais e globais de cidades sustentáveis.

Até agora sabemos que as cidades têm demonstrado capacidade de ação, estão buscando soluções locais, acreditando ser este o caminho para a mobilidade e superaçõa dos desafios do desenvolvimento sustentável.

Existem muitos exemplos de comunidades que cansam de esperar pelo apoio do governo e se unem em torno de uma causa. É o que chamamos de autonomia municipal, somente quem conhece as peculiaridades regionais pode dar a solução para problemas globais. O mesmo vale para a preservação do planeta, sem que soluções locais sejam apresentadas não se chegará a uma solução global: que tal começar no quintal de casa? Efeitos climáticos são sentidos em todos os lugares do mundo, mas a maioria das cidades brasileiras nem se quer dá um destino adequado ao lixo que produz. (KH)

Rio+20

É hora de agir, diz Secretário-Geral da Rio+20 em visita ao Brasil

O Secretário-Geral da Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), Sha Zukang, está no Brasil para acertar os últimos detalhes logísticos sobre o evento que deve reunir cerca de 50 mil pessoas em junho. Além de segurança, transporte e acomodação, há detalhes, por exemplo, na área de tecnologia, para realizar uma conferência com uso inteligente de papel (paper smart). “Meus colegas brasileiros estão fazendo um trabalho excelente”, avaliou hoje (06/03), no Rio.

“Será uma conferência de grande significado não apenas para as novas gerações, como para as que ainda virão. É por isso que estou muito feliz que será realizada no Rio, no Brasil. O grande país do qual todos vocês têm motivo para se orgulhar”, declarou.

Ouça a coletiva de hoje na íntegra:

Para Sha, o maior desafio da Rio+20 é a implementação de ações para a economia verde e erradicação da pobreza. “O mundo está se tornando cada vez mais insustentável”, disse. O Secretário-Geral considera que os documentos elaborados em conferências anteriores são “maravilhosos”, mas que continuam só como documentos. “Nosso trabalho não é falar, mas agir. Não percamos mais tempo em conversas, em apenas produzir papéis. É claro que temos de produzir documentos, mas é preciso implementá-los”, afirmou.

A Rio+20 promoverá discussões em sete áreas prioritárias: energia, alimentação e agricultura, emprego e sociedade inclusiva, cidades sustentáveis, água, oceanos e desastres naturais. “São questões complexas que teremos de ver como lidar com cada uma delas”, afirmou.

Até 10 de março, Sha terá encontros no Rio eem Brasília. Estãoprevistas reuniões com o Ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, e a do Meio Ambiente, Izabella Teixeira. O Secretário-Geral da Rio+20 também participará de audiência pública no Senado e discursará na abertura da Comissão Nacional de Desenvolvimento Sustentável.

Confira as fotos do evento no blog da Rio+20:  http://www.onu.org.br/rio20/br/blog

Fonte: http://www.onu.org.br/e-hora-de-agir-diz-secretario-geral-da-rio20-em-visita-ao-brasil/