Arquivo da categoria: bikes

Seja 2015, faça você mesmo! #amor #fraternidade #tudonovodenovo

3597246-781336Acreditem, seremos soterrados pelo lixo.

Você já reparou quanto lixo produz durante 1 dia?

Quantas sacolas plásticas cheias de lixo leva para a rua por semana?

O caminhão da coleta leva para onde? Você sabe?

Já parou pra pensar quantos destes produtos são realmente reciclados?

E os veículos? Móveis? Geladeiras?

Tantas coisas são descartadas.

Caminhão de coleta não elimina o problema.

Está se formando uma grande montanha de lixo no planeta. Não é raro encontrar carros abandonados nas ruas da cidade.

Algum dia um guincho leva para um grande depósito que não para de crescer.

Cresce na velocidade em que os pátios das fábricas são “trolhados” por mais e mais carros novos.

Nesse novo ano de 2015 pare para pensar, reutilize, reforme, use a sua criatividade!

Proponha-se a fazer uma decoração alternativa em sua casa e personalizar seus objetos.

Family playing hide and seekPense que em 50 anos você ainda terá espaço para caminhar nas ruas e o calor não será tão forte.

Plante uma árvore, ensine o seu filho a brincar de esconde-esconde, faça você mesmo!!

O Planeta é o seu lar, cuide dele!

Anúncios

O LIXO VAI ACABAR NOS LIQUIDANDO SE NÃO TOMARMOS CONSCIÊNCIA

ENTREVISTA

Deputado Paulo Borges, o “homen do tempo” e campeão de votos, fala de lixo, sustentabilidade e mobilidade urbana

“Sobre sustentabilidade muito se fala, mas se executa pouco. O lixo vai acabar nos liquidando se não tomarmos consciência.” Deputado estadual Paulo Borges (Foto: Movimento Municipalista)

Sustentabilidade está ligada a soluções locais e à maior autonomia dos municípios na busca de alternativas para mobilidade urbana, limpeza e reciclagem de lixo e até mesmo a produção de energia. Conversarmos com o Deputado Estadual Paulo Borges sobre estas questões. Ele nos falou de sua iniciativa de compor uma frente parlamentar municipalista do Rio Grande do Sul, e de como ouvindo mais os políticos locais se pode gerar soluções mais eficientes para cada região, valorizando os bons exemplos de municípios que tem muito a ensinar sobre suas boas práticas.

MM – De que maneira uma Frente Parlamentar municipalista pode ajudar os município?

A educação do lixo:  O lixo demanda de soluções, em grandes cidades o problema é ainda maior. Hoje em Porto Alegre, a capital dos gaúchos, não existem nem se quer lugares apropriados para depositar o lixo antes mesmo dele ser recolhido, muito menos uma política de reciclagem destes resíduos.
Se cada um fizer a sua parte, podemos ajudar a minimizar os problemas causados pelo lixo. Na escola os professores ensinam as crianças, em casa os pais dão o exemplo com a separação correta e nas ruas a prefeitura tem a sua responsabilidade de fornecer lixeiras e um sistema eficiente de recolhimento.
Foto tirada pelo próprio deputado Paulo Borges de flagrante de lixo acumulado na Av. Bento Gonçalves, em Porto Alegre.

PB – A Frente parlamentar tem uma força muito grande aqui dentro da assembléia legislativa, não somente no Rio Grande do Sul mas também em todo o Brasil. Eu sou presidente de uma delas e por isso tenho essa experiência. Sou presidente da frente parlamentar de combate ao câncer e a tuberculose no Estado, que hoje é um grande problema aqui no Rio Grande do Sul. Eu acredito que depois que criamos esta frente começaram a diminuir os índices, por que uma série de pesquisas está trazendo grandes resultados, em um Estado onde a tuberculose é campeã. Por isso que eu acredito muito em uma frente parlamentar. E uma frente parlamentar municipalista para tratar assuntos específicos dos municípios é uma idéia genial. Nós já estamos encaminhando alguns pedidos, temos um tramite aqui na assembléia para a criação desta frente parlamentar e obviamente depois deste passo, conseguiremos reunir boa parte da sociedade para os encontros, assim como eu já faço na Frente Parlamentar de combate ao câncer e a tuberculose. Uma Frente Parlamentar causa um efeito magnífico, por que as pessoas que já trabalham com esse conteúdo, ou mesmo pessoas da sociedade civil que tem interesse em trazer pra gente as dificuldades do seu município poderão participar deste debate, a gente obviamente vai trabalhar em grupos de pessoas que entendem deste processo, inclusive a gente faz questão de formar esta frente parlamentar com pessoas que dominam o assunto para que a gente comece a achar soluções.

MM – Em que sentido a Autonomia municipal pode avançar?

Ônibus com “porta bikes”: E para aqueles que moram muito longe do trabalho e que poderia fazer um trecho do caminho de bicicleta? A Solução é simples, fácil e barata, em Los Angeles, os ônibus têm suporte para carregar bicicletas, esta solução facilita a vida dos ciclistas e traz uma solução quando o mesmo é surpreendido por uma chuva por exemplo.  (Foto: movimentomunicipalista.wordpress)

PB – Os municípios estão um pouco abandonados pela união e pra funcionar bem todos dependem do bom andamento dos municípios, em todos os sentidos. Mas o que acontece hoje, é que a política está muito concentrada no macro e no que o governo federal pode fazer para resolver os problemas das pessoas. Eu acho que as coisas devem ser resolvidas localmente. A autonomia municipal deve existir, mas deve ser real, não somente fictícia e as pessoas tem que poder participar das decisões do seu município. Os partidos devem respeitar a situação local do político local, por que o político local é quem sabe muito bem as necessidades do povo que mora lá. Nós não temos como influenciar, ou dizer como um município do Rio Grande do Sul tem que trabalhar sua política local, eles é que sabem, eles é que tem que nos dar esta aula. Isso que é importante para conseguirmos consagrar realmente a autonomia dos municípios.

MM – De que maneira a autonomia pode ajudar os municípios a avançarem nas questões ligadas à Sustentabilidade?

Ônibus trem: Soluções criativas para os maiores problemas das cidades. Que tal um trem que anda sobre os carros? Na China está sendo projetado um “ônibus trem”, ele demanda de cerca de 70% menos investimento que a construção de metrôs, circula tão rápido quanto um e não atrapalha a circulação de veículos no trânsito.
Denominado “3D Express Coach”, o ônibus é alto e possui entre suas rodas um espaço livre de duas pistas para que os carros possam passar por baixo. Ele mede mais de 4 m de altura e é alimentado por energia elétrica e solar, o que dá um caráter sustentável  ecologicamente ao projeto. A rodonave que poderíamos chamar de ônibus-túnel pode acelerar a 60 km/h e carregar acima de 1200 passageiros. Os seus 6 metros de largura permitem que carros que não ultrapassem 2 m de altura passem por baixo (lado a lado) enquanto os passageiros entram e saem pelo teto nas estações.
Fonte: www.biosferatv.com.br

PB – A sustentabilidade pode avançar de várias maneira, primeiro é com pessoas competentes. Os municípios hoje tem um problema de gestão fabuloso. A política move o mundo, mas a política não pode ser genérica é preciso ter conhecimento dos fatos. Sobre sustentabilidade muito se fala, mas se executa pouco. Porto Alegre, por exemplo, tem problemas brutais em diversos setores, e o lixo é um deles. Se fala muito que se deve tratar bem o lixo, que a gente deve saber que o é o lixo orgânico, o que é o lixo seco, mas me parece que o governo não consegue trabalhar esta questão sob a forma da educação, desde as crianças até os adultos. Eu tenho um filho de três anos que está na escolinha, que é particular, lá eles desenvolvem este trabalho de conscientização ambiental nas crianças. O que é um trabalho fácil de ser aplicado na rede municipal. Meu filho sabe diferenciar o lixo seco do orgânico, ele sabe como este lixo deve ser separado, e ele exige isso dentro da nossa casa, ele reclama quando a gente não separa do jeito que ele aprendeu na escola. Então passa pela educação, pela educação infantil e nas escolas particulares já acontece isto. Falta uma ação gerencial do ensino municipal, e deve-se começar no município, que é onde as pessoas moram, para tratar melhor este lixo. Chega-se ao cúmulo, e assisti isto em um programa de televisão, de pessoas que não tem o costume de ter vaso sanitário em casa, de usarem um saquinho para fazer suas necessidades e jogá-lo pela janela. E quem junta isto? Isso é medieval. Na verdada isto é falta de educação. Para mim o cidadão não precisaria pagar uma fortuna para ter educação de qualidade. O município tem obrigação de dar educação e trabalhar em cima da sustentabilidade, como já acontece em algumas escolas particulares.  O lixo das cidades é um bom assunto para ser debatido em uma frente parlamentar municipalista, o lixo.  É impressionante o  quanto tem de lixo depositado em lugares inadequados, eu ando muito aqui em Porto Alegre, eu vejo e fotografo, paro o carro e fotografo e coloco as fotos no meu blog. Eu acredito em bons exemplos, coisas que deram certo em outros lugares. A gente tem que trazer estes bons exemplos no Brasil e no mundo para cá. Quando a gente abre um espaço para debate aí a gente tem espaço para funcionar. Atrai até mesmo os jornalistas e quando a gente começa a atrair a imprensa é por que o assunto está problemático. No momento que a gente provoca as pessoas elas vêm e trazem material e querem debater. As pessoas são um pouco acomodadas em relação ao primeiro passo, mas depois que alguém der o primeiro passo as coisas começam a tomar forma. Assim se  começa a criar uma situação em que a sociedade pensa, a  sociedade quer participar só falta uma oportunidade. O lixo é uma questão cruel, ele vai acabar nos liquidando se não tomarmos consciência.  O lixo de Porto Alegre hoje, nos causa vários transtornos, começando por não colocar o lixo certo no lugar certo. Na hora que o caminhão passa ele deve recolher o lixo certo. Ele precisa ser depositado no lugar certo para ser recolhido. O caminhão, muitas vezes, recolhe no dia certo o lixo errado. Se cada um não fizer isso dentro da sua casa também não vai ajudar o município. Outro problema grave são os alagamentos que estão ligados diretamente ao lixo. As garrafas PET podem ser encontradas aos quilos dentro de bueiros totalmente entupidos e a gente sabe que com este lixo vai inundar. A mesma pessoa que jogou a garrafa PET é a mesma pessoa que vai reclamar por que está inundando, por que seu carro está boiando ou por que não consegue atravessar para pegar um ônibus. Em Porto Alegre, a gente ainda convive, na minha opinião infelizmente, com as carroças recolhendo lixo, estes catadores nem sabem que destino dar a este lixo ou de que forma vão tratar este lixo. Pelo menos quando passa o caminhão a gente sabe que este lixo terá um destino certo. Sem contar com o quanto estas carroças atrapalham o trânsito da cidade. Eu mesmo tiro muitas fotos com meu celular, de carroças cheias de lixo para todos os lados trancando as ruas.

MM – Quanto aos resíduos da construção civil?

PB – Outro grande problema que a gente encontra são os resíduos da construção civil. A construção civil hoje está em plena ascensão. E a quebra destes materiais geram resíduos sólidos, em uma quantidade enorme, existem lugares que tem usinas de reciclagem destes resíduos sólidos que transformam este material para ser usado novamente pela construção civil, e Porto Alegre demanda deste serviço.

MM – Uma Frente Parlamentar pode contribuir com o Meio Ambiente?

PB – A gente precisa errar o mínimo possível, e para isso nada melhor do que irmos buscar exemplo com experiências que deram certo e usar como benefício. Acertando com o erro dos outros se perde menos tempo. Para isso é preciso de profissionais com conhecimento e qualificação. Faltam programas que nos tragam soluções ambientais, se o governo não tem uma solução, se as empresas não tem uma solução, a população tem que tomar a frente.

#BIKES RECICLÁVEIS: GARRAFAS PET AGORA PODEM VIRAR BICICLETAS

ImageGarrafas PET viram bicicletas

As garrafas PET são feitas de material reciclado e podem ser transformado em diversos utilitários depois de descartadas. A novidade agora são “bikes”!

Criado no Brasil, o projeto do artista plástico Juan Muzzi é resultado de anos de pesquisa e testes. O autor da idéia, já patenteada como a primeira bicicleta reciclável do mundo, conta que “a bicicleta é mais resistente, flexível e barata porque o plástico não enferruja e a fabricação transforma resíduos em um novo produto”.

São necessárias duas mil garrafas plásticas para a confecção de uma bicicleta, e a montagem leva nada menos que 2 minutos, veja o vídeo.

Juan está trabalhando agora em uma cadeira de rodas reciclável. Vamos aguardar pra conhecer outra criação genial do artista.

Fonte: Planejamento Urbano Emergencial: http://www.facebook.com/pages/Planejamento-Urbano-Emergencial/166137580099093

Saiba mais: http://www.muzzicycles.com.br/

VEJA O VÍDEO COM A MONTAGEM DA BICICLETA:

#CICLOVIA: MAIS UMA OBRA INICIA EM #PORTO ALEGRE


foto: http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=90282(JC)
Nossas cidades não comportam mais tantos carros, basta sair de casa dirigindo um para entender que não há estacionamento suficiente, não há vias úteis suficientes (me refiro a vias de duas mãos). A "imobilidade" urbana vem sendo tão discutida, este é o momento de refletir sobre questões que envolvem até mesmo o meio ambiente, evitando veículos poluentes e utilizando meios de transporte mais alternativos.
Se em Porto Alegre já é tão dificil se locomover, imaginem em São Paulo. Na semana passada, o jornal Estado de S. Paulo divulgou, com base em pesquisa realizada na Escola Politécnica da USP, que 25% de toda a área construída da cidade de São Paulo é usada para garagens, é preciso considerar também o enorme espaço que estes veículos ocupam nas vias públicas (http://migre.me/8x372).
Bem, quanto à Porto Alegre, a presidente esteve na capital gaúcha na segunda semana de outubro do ano passado para anunciar o início das obras do metrô, mas até agora ninguém conseguiu localizar o local das obras na região metropolitana(http://migre.me/8x41a).
A ciclovia da avenida Ipiranga, trecho entre a Érico Veríssimo e a Azenha, "já" começa a ganhar sua camada de asfalto, depois de meses do início da edificação (http://migre.me/8x3C4). Veremos o que será da obra na Icaraí...

Prefeitura começa a demarcar a ciclofaixa da avenida IcaraíNo lado direito da pista, via especial tem 1,7 quilômetro e 1,5m de largura

Até o final deste mês, Porto Alegre contará com mais um espaço destinado à circulação de ciclistas. A prefeitura começou ontem a demarcação da ciclofaixa da avenida Icaraí. A área terá 1,7km de extensão entre as avenidas Chuí e Wenceslau Escobar, no sentido bairro-Centro.

A pista, localizada ao lado direito da via, junto ao meio-fio, será segregada por tachões e terá 1,5 metro de largura. O asfalto será pintado na cor vermelha e receberá sinalização horizontal específica.

De acordo com o diretor-presidente da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Vanderlei Cappellari, a circulação na via não será afetada com a delimitação da área para quem se desloca utilizando bicicleta. “A via é diferenciada, permitindo a faixa para os ciclistas sem prejuízo à fluidez do trânsito”, afirma.

Com a criação da ciclofaixa, as pistas para a circulação de veículos da Icaraí, no sentido bairro-Centro, terão suas larguras alteradas. A pista da direita, ao lado do espaço para os ciclistas, terá 2,2 metros, enquanto a pista do meio terá 3,9 metros e a da esquerda terá três metros de largura.

Conforme o coordenador dos projetos de mobilidade da EPTC, arquiteto Régulo Ferrari, o projeto é a primeira ciclofaixa implantada em uma via arterial da cidade. A ciclofaixa da Icaraí terá algumas características especiais. Em alguns trechos, onde há permissão de embarque e desembarque, carga e descarga ou pontos de parada de ônibus, serão criados recuos viários, onde os ciclistas deverão aguardar as ações dos condutores.

Capellari destaca que a ciclofaixa irá formar, junto com a ciclovia da Diário de Notícias e com as futuras ciclovias da avenida Tronco e da Edvaldo Pereira Paiva, uma rede viária para os ciclistas.

A ciclovia da Tronco, que sairá junto com a duplicação da via, terá 5,3km de extensão. A da Edvaldo, terá 5,4km. Segundo o presidente da EPTC, a sinalização horizontal da Icaraí será finalizada junto com a construção da área para os ciclistas.

fonte: http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=90282

#Revolta e desespero no transporte público em São Paulo

Pane no metrô, por volta das 7 horas da manhã, causa revolta e tumulto em Francisco Morato na grande São Paulo. Devido ao vandalismo, depredação e violência na estação a polícia soltou bombas de efeito moral e interditou o local.
O Comércio foi fechado e seis pessoas foram pressas. A alternativa encontrada pelos passageiros foi a estação de ônibus da qual um dos principais corredores de acessos é através do metrô interditado.
Não há previsão de retomada dos serviços.
A superlotação ja se tornou uma grande falta de respeito à aqueles que diariamente prescisam enfrentar o aperto, tumulto e confusão no sistema de transporte brasileiro. Resta entender se a revolta dos passageiros é justificada...
foto: http://f.i.uol.com.br/folha/cotidiano/images/12089229.jpeg

Passageiros de trens enfrentam a polícia e depredam estação em SP

Os passageiros ficaram revoltados com uma pane no fornecimento de energia elétrica dos trens. Eles queimaram a bilheteria, quebraram catracas e destruíram parte da estação de Francisco Morato.

fonte: Jornal Hoje

clique aqui e assista o vídeo.

Fonte e vídeo: http://g1.globo.com/jornal-hoje/

#Imobilidade urbana: Greve de ônibus causa caos no RJ

Image


Milhares de pessoas tiveram dificuldades de se deslocar hoje pala manhã no Rio de Janeiro, isso significa que foi instaurado o verdadeiro caos na cidade maravilhosa.
A mobilidade urbana é atualmente um dos maiores problemas das grandes cidades brasileiras.

Greve de ônibus causa trânsito e afeta pelo menos 1,3 milhão no RJ

Paralisação de rodoviários atinge cinco municípios do estado. Rodoviários reivindicam 16% de aumento do salarial.

A greve dos rodoviários causa congestionamento, na manhã desta quinta-feira (29), nas principais vias de Niterói e São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio. Segundo Márcio Barbosa, superintendente do Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio (Setrerj), a paralisação afeta ao menos 1,3 milhão de pessoas.
Além de Niterói e São Gonçalo, funcionários de empresas de ônibus de outros três municípios – Itaboraí, Maricá e Tanguá – estão em greve nesta manhã.
Por causa da greve, as garagens das empresas de ônibus estão lotadas.
De acordo com Márcio Barbosa, eles reivindicam um aumento de 16% sobre o salário e 40% sobre a cesta básica. Além de motoristas e cobradores, a classe também inclui funcionários da administração e da manutenção. Barbosa explica que a frota desses cinco municípios é composta por 3 mil ônibus.

fonte: http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2012/03/greve-causa-transito-e-afeta-ao-menos-13-milhao-em-5-cidades-no-rj.html

foto: http://www.atribunarj.com.br/images/e2e0ca23e9.jpg

Vá de #bike: Além de ser ecológicamente correto, você ganha prêmios

Image

A locomoção por meio de bicicleta evita a emição e gases, ajuda a descongestionar o trânsito e facilita a mobilidade, ajuda a manter a forma física, e ainda dá prêmios sem que o ciclistas tenha gastos extras.Esse tipo de estímulo realmente deve incentivar a população. A bicicleta pode ser solução para a mobiliade urbana no Brasil, se integrada a outros sistemas de transporte, mas primeiro é preciso que haja uma mudança cultural e de de infraestrutura para conectar a bicicleta ao transporte de massa. A mudança do paradigma do automóvel surgiu há 20 anos na Europa – e está dando certo.

Em Londres, quem andar a pé ou de bicicleta terá descontos em lojas e cinemas

Que tal ser recompensado, financeiramente, por deixar o carro em casa e se locomover pelas ruas da cidade a pé ou de bicicleta? Essa é a mais nova medida londrina para estimular a mobilidade sustentável – e, consequentemente, reduzir os níveis de poluição e congestionamento na capital inglesa.
A bonificação funcionará com a ajuda de um aplicativo para smartphone, criado pela empresa Recyclebank, com o apoio da prefeitura de Londres. Ao ser instalado no celular, o app é capaz de mensurar e pontuar os deslocamentos feitos a pé ou de bicicleta pelo usuário do aparelho, que poderá converter os pontos em prêmios e descontos, nas lojas e cinemas que participam da ação.
A iniciativa teve início no ano passado pelo governo londrino e foi testada, por um grupo de pessoas, até o final do ano, para finalmente ser lançada no segundo semestre de 2012 – não por acaso, quando começarão os Jogos Olímpicos de 2012, na cidade.
O Brasil também será sede das Olimpíadas, em 2016. Você acha que a medida adotada pela prefeitura de Londres poderia ser copiada pelo Rio de Janeiro para incentivar a mobilidade sustentável na capital fluminense e reduzir o trânsito caótico que esse tipo de evento esportivo mundial costuma causar nas cidades que o sediam?

por: Débora Spitzcovsky
fonte:http://super.abril.com.br/blogs/planeta/em-londres-quem-andar-a-pe-ou-de-bicicleta-tera-descontos-em-lojas-e-cinemas/
Imagem: Missionlessdays/Creative Commons

O Brasil já está dando os seus primeiros passos

Embora as cidades brasileiras estejam longe de ter uma atmosfera ciclística como Londres, Amsterdã, Copenhague ou Barcelona, algumas já dão os primeiros passos em direção a uma realidade mais sustentável. Esse é o caso do Rio de Janeiro, que recentemente, implantou o sistema de aluguel de bicicletas chamado Bike Rio. Com apenas três meses de funcionamento, o serviço já caiu no gosto do público, tanto que as bikes não ficam por muito tempo sem dono. “É fantástico. Além de agredir menos o ambiente, melhora a nossa qualidade de vida com a prática da atividade física. Pedalo até para ir ao trabalho”, diz a carioca Mariana Loureiro, de 27 anos. Já o gerente de projetos Fábio Garcia, de Porto Alegre, afirma que o sistema é ideal para pessoas como ele, que só vem ao Rio durante a semana para trabalhar. “Não tem como manter uma bicicleta aqui porque moro no Sul. Essa iniciativa veio a calhar”. São 48 estações, mas a previsão é que até fevereiro esse número chegue a 60 pontos na Zona Sul e Centro, com 600 bicicletas disponíveis, diariamente, das 6hs às 22hs. Elas estão conectadas a uma central de operações via wireless. Cadastrado previamente, o usuário pode destravar a bicicleta a partir de uma ligação ou de um aplicativo do programa para celular. Há também como se informar sobre a disponibilidade das bikes nas estações através do site. Para a jornalista Laís Castro, que mora há 4 anos na cidade, as vantagens do Bike Rio atraem até os mais sedentários como ela. “Não vou pegar trânsito, dá para apreciar melhor a vista e não deixa de ser uma atitude ecologicamente correta, além do preço baixo. Já queria começar uma atividade física. Agora, encontrei o que precisava." fonte: http://abiliodiniz.uol.com.br/qualidade-de-vida/va-de-bicicleta.htm

Os hippies de 2012 querem se deslocar de bicicleta nas cidades.

Image

Jovens protestam por mais mobilidade urbana. Os hippies de 2012 querem se deslocar de bicicleta nas cidades. Nos anos 50 e 60, o objetivo dos jovens era acabar com a caretice do mundo. Eles queriam mais liberdade. Nos anos 70, o inimigo era a ditadura. A meta: fazer a revolução. Nos anos 80 e 90, o sonho ficou mais individualista: carreira, dinheiro, sucesso. E o que quer para o futuro o jovem de hoje? Hoje temos liberdade e tão poucos sabem como usar. Muitos ficaram perplexos com a manifestação de Florianópolis, mas os cidadãos cederam ao protesto em sinal de apoio. Os manifestantes desejaram afirmar com a sua nudez que a indecência está no trânsito da cidade.

A revolução chega à Florianópolis II

Florianópolis adere a edição do World Naked Bike Ride a partir de 2012. Encara mais esse desafio, pedala como veio a terra sem roupas e sem vaidades.

Carros enfileiraram-se atônitos, as pessoas perplexas pelo caminho onde passávamos despiam suas consciências de cidadão e se manifestavam em gritos de apoio ou brados da decência. Com as orelhas pegando fogo, viajou-se de uma panacéia á esquizofrenia coletiva, pelo desrespeito instigado por falta de novas ciclovias, calçadas e de mais decência e respeito no trânsito das cidades.
Este fenômeno, é inútil para alguns, enquanto apenas, nos atrevermos a passar-lhes os olhos com indiferença, uma injustiça inexplicável que talvez purifique nosso senso amorfo, ainda distorcido, sobre a utilização correta dos veículos movidos à combustível fóssil.

Sob luzes de mercúrio, sob a lua cheia, sob a penumbra da noite, descortinava-se também a beleza desta cidade e suas árvores suas alamedas. E a cada quilômetro percorrido, a certeza de todos no sentido e direção corretos em que estava indo.

Bicicletas são como um poema declamado com os pés. Purifica o sangue e a alma, atravessam os poros, tercetos e quartetos, no som do pedalar que faz consonância as batidas do coração.

Ao mesmo tempo, é incontida a delicadeza que é vê-las deslizar, as bicicletas também, são achincalhadas em sua essência, sem a visão necessária da atual de sua utilização como herança de um auto-transporte socialmente correto
É ainda estranho – não para os ciclistas – que um protesto organizado, tenha tido tanta difusão e, divulgação prévia e deslocamento de equipes de reportagem. É talvez senão um termômetro da idade mental em que a sociedade se encontre. Com dignidade ainda ferida, para outros manifestantes fazerem – se ouvir, sem uso da violência, atos de vandalismo ou destruição da coisa pública.

Sentiu-se por onde passou, o aroma de damas da noite, dos jasmins. Esta vez e novamente a liberdade de expressão, fruto do amadurecimento de um povo que ainda dá suas primeiras pedaladas de democracia, para ganhar alguns quilômetros de sabedoria e auto-suficiência.

da redação do Floripa Quer Mais – humanização no trânsito
foto: Márcio Papa

http://floripaquermais.com.br/?p=2882

O perfil da nova geração

Uma pesquisa feita em 4 capitais brasileiras, apontou que os jovens ainda querem mudar o mundo, mas hoje eles tem um perfil mais imediatista, organizam pequenas revoluções, silenciosas, nas redes sociais.
Porto Alegre esteve entre uma das cidades pesquisadas, nela foram encontrados dois grupos que merecem destaque, a Massa Crítica, um grupo de ciclistas que deseja mudar a mobilidade urbana na capital dos Gaúchos e o grupo Restinga Crew, que através do Hip Hop valoriza os jovens e incentiva a educação.
veja o video:
http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/videos/t/todos-os-videos/v/pesquisa-revela-que-os-jovens-de-hoje-ainda-querem-mudar-o-mundo/1852209/

#BIKE: integração bicicleta e metrô. #Soluções #simples

Bicicletas “passeam” de trem na Europa e na Asia

A partir de fevereiro metrôs de Taipei, capital de Taiwan, terão espaços dentro de seus vagões para ciclistas acompanhados de suas bikes. Já era permitido o acesso de bicicletas dobráveis dentro de mochilas, mas agora podem ostentar suas duas rodas montadas. Isto já acontece desde 2010 na Dinamarca, onde a Danish State Railways criou espaço nos metrôs que atendem a grande Copenhagen. No Brasil algumas medidas como bicicletas compartilhadas e áreas de estacionamento em áreas centrais da cidade começam a se tornar mais comuns.

Espaço para ciclistas no metrô de Copenhagen.

Identificação do vagão onde há espaços para bicicletas no metrô de Copenhagen. Este tipo de transporte é gratuitamente oferecido pela Danish State Railway, empresa de metrô da capital da Dinamarca. O usuário com uma bicicleta não paga a mais do que a tarifa normal, assim como carrinhos de bebê e cadeiras de rodas.

Primeiro foi no Rio. Agora, em fevereiro de 2012, São Paulo também terá seu sistema de empréstimo de bicicletas. Serão 3.000 magrelas, distribuídas em 300 estações espalhadas por diversos bairros da cidade. Segundo a Secretaria Municipal de Transportes, a disposição dos pontos de empréstimo deve ser feita de tal forma que garanta a integração do sistema com a rede de trens, metrô e ônibus.O termo de cooperação entre o Itaú e a prefeitura vai durar três anos, com possibilidade de renovação. A cada ano, uma média de cem estações deve ser instalada. (Fonte: http://memoria802.blogspot.com/2012/02/sao-paulo-vai-ganhar-300-estacoes-de.html)

Em Taipei bicicletas dobráveis, que podem ser guardadas em mochilas, são tratados como uma bagagem de mão do passageiro, portanto não há restrições de acesso para passageiros com esses tipos de bicicletas em estações. Bicicletas elétricas, motos movidos a gasolina, e as bicicletas de dois ciclistas não são permitidos no MRT, sigla que dá nome ao sistema de trens urbanos de Taipei. Neste sistama de metrô de Taipei o usuário com a bicicleta paga uma tarifa maior e os lugares são restritos ao primeiro e últimos vagões.

Recentemente Curitiba criou espaço para as bicletas estacionarem em áreas centrais da cidade. São Paulo tem cilco rotas mas me muitas grandes aveindas, como a Av. Paulista, elas são proibidas.

Ciclistas acompanhados de suas magrelas dividem espaço com os usuários de metrô a pé. O metro de Copenhagen disponibiliza racks especiais, integrados aos assentos, eles dão segurança evitando que a bicicleta caia durante o trajeto.