Arquivo do dia: maio 10, 2012

#RANKING DO SANEAMENTO: QUAIS SÃO AS MELHORES E PIORES CIDADES DO #BRASIL

FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO É CAUSA DE DOENÇAS
A coleta de dados de mais uma pesquisa comprova novamente que o Brasil está ficando para traz no desenvolvimento. O saneamento básico é peça chave no que tange o crescimento de um país. Segundo o Instituto de pesquisas Trata Brasil o país cresceu apenas 3 pontos percentuais em 9 anos (de 2000 até 2008) em coleta de esgoto, subindo de 52% para 55%.
Em todo território nacional há 5.565 municípios, destes, 2.495 não possuem nenhum tipo de rede coletora de esgoto, quase 45% do total. Somente 29% dos municípios brasileiros (1.587 cidades) têm algum sistema de tratamento de esgoto instalado.
Junto com resíduos agrotóxicos e destinação inadequada do lixo, o não tratamento do esgoto sanitário responde por 72% das incidências de poluição e contaminação das águas de mananciais, 60% dos poços rasos e 54% dos poços profundos. E atualmente 30,5% dos municípios lançam o esgoto não tratado em rios, lagos ou lagoas e utilizam as águas destes mesmos escoadouros para outros fins.
Enquanto não são tomadas medidas rápidas para melhorar o saneamento no Brasil, o mosquito do aedes aegypti encontra seus criadouros se prolifera, causando mais epidemias que custam milhares de reais aos cofres públicos.
Outras doenças são registradas devido a incidência da falta de saneamento. O estudo “Esgotamento Sanitário Inadequado e Impactos na Saúde da População”, desenvolvido pelo Instituto Trata Brasil, revela que as diarréias respondem por mais de 50% das doenças relacionadas ao saneamento básico inadequado, sendo responsáveis também por mais da metade dos gastos com esse tipo de enfermidade.
90% das cidades afirmaram não ter, hoje, como controlar as águas das chuvas.

Melhores X Piores cidades no ranking do Saneamento

Ranking do saneamento revela lentidão nos avanços do atendimento voltado à água e esgotos. O estudo feito pelo Instituto Trata Brasil avaliou os serviços nas 81 maiores cidades do País, e mostra o que ocorre com esgoto gerado por mais de 72 milhões de brasileiros.

O título das 10 piores cidades acima de 300 mil habitantes ficou com:
1ª Nova Iguaçu (RJ): população: 855 mil habitantes e sem coleta de esgoto;
2ª Belém (PA): com 1,4 milhão de habitantes e 6% de atendimento com serviço de esgoto;
3ª Canoas (RS): abastece com água 94% da população de cerca de 329 mil habitantes e atende apenas 13% com coleta de esgoto;
4ª Rio Branco (AC): com 301 mil habitantes e com tratamento de esgoto de apenas 3%;
5ª Jaboatão do Guararapes (PE): com apenas 8% de atendimento de esgoto a uma população de 678 mil pessoas;
6ª Ananindeua (PA): com 495 mil habitantes e nenhum tratamento de esgoto;
7ª São João do Meriti (RJ): com 0% de cobertura de esgoto e uma população de 468 mil pessoas;
8ª Belford Roxo (RJ): com mais de 495 mil habitantes e 1% de atendimento com serviço de esgoto;
9ª Duque de Caxias (RJ): população de 864 mil habitantes sem tratamento de esgoto;
10ª Porto Velho (RO): com 0% de esgoto tratado para uma população de 379 mil habitantes, que ocupam a última posição.

Por outro lado o ranking mostra ainda que, no conjunto dos indicadores avaliados, estão entre as melhores cidades do País:
1ª Santos (SP): primeiro colocado, com operação estadual;
2ª Uberlândia (MG): com operação municipal;
3ª Franca (SP): com operação estadual;
4ª Jundiaí (SP): com operação municipal em parceria com o setor privado;
5ª Curitiba (PR): com operação estadual;
6ª Ribeirão Preto(SP): com operação municipal em parceria com o setor privado;
7ª Maringá (PR): com operação estadual;
8ª Sorocaba (SP): com operação municipal;
9ª Niterói (RJ): operação privada
10ª Londrina (PR): com operação estadual na prestação dos serviços.

Atendimento ao esgoto:
O índice médio de coleta de esgoto nas 81 maiores cidades do Brasil é de 57% do que é produzido pela população, conforme a pesquisa do Instituto Trata Brasil.  Das cidades pesquisadas, 28 informaram ter índice de coleta de esgoto superior a 80% da população, sendo que, deste total, 3 informaram ter 100% de coleta: Belo Horizonte, Porto Alegre e Montes Claros.
Por outro lado, 53 cidades apresentaram índices de coleta inferiores a 80%.  No que se refere ao tratamento, o índice selecionado pelo Trata Brasil informa o volume médio de esgoto tratado em função da água consumida e nas cidades classificadas, a média ficou em 39%.  16 cidades informaram ter índices superiores a 70% e 44 municípios informaram ter índice de tratamento abaixo do percentual médio de 39%, incluindo as capitais Rio Branco, Aracaju, Natal, Cuiabá, Porto Alegre, São Luís, Teresina, Macapá e Belém.

Fonte: http://www.tratabrasil.org.br/

IJUÍ QUE FOI EXEMPLO NO COMBATE À #DENGUE, VOLTA A ENFRENTAR A EPIDEMIA

Ijuí volta a registrar caso de dengue, o município que no ano passado deu exemplo no combate ao mosquito da dengue contabilizando apenas 02 casos da doença o que foi uma grande vitória por que em 2010 registrou 2.958 casos.
A diminuição da incidência de casos de dengue no município se deu em decorrência de uma batalha constante. No dia 18 de novembro de 2011 a Secretaria Estadual de Saúde do Estado do RS premiou o município em reconhecimento ao trabalho investido e pelo êxito no controle da dengue, o prêmio foi de R$ 50 mil. Segundo o Secretário municipal de saúde Claudiomiro Pezzotto “foram realizadas mais de 93 mil visitas domiciliares, pelos agentes comunitários da dengue do município, além de inúmeras atividades de recolhimento de entulhos e campanhas na imprensa local” afirmou. Ijuí criou o Comitê Municipal de Combate a Dengue acrescentou o secretário, “uma equipe está trabalhando especificamente em ações de prevenção e combate à epidemia” finalizou.
Apesar do percentual investido pelo Estado para a saúde dos municípios ainda ser muito baixo e insuficiente, os municípios estão tomando iniciativas, em ijuí uma nova política foi criada para o recolhimento de pneus, grandes responsáveis pelo acúmulo de água, com base em uma nova lei municipal, elaborada especificamente para essa função, o município fica responsável pelo recolhimento e armazenamento de pneus, após, o material é recolhido pela ANIP (Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos) que por sua vez, se responsabiliza pelos custos do recolhimento e envia para o destino final que é a confecção de produtos como tapetes e solados.
Imagem: http://cicerolajes.blogspot.com.br/2012_01_01_archive.html

Confirmado caso importado de dengue em Ijuí

Na manhã desta terça-feira, 8, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) confirmou um caso de dengue em Ijuí. Trata-se de um morador do Centro que passa por um quadro de dengue importada, ou seja, o vírus não foi contraído no município, e sim em uma cidade em que existe a circulação viral.
De acordo com a secretária da Saúde, Alexandra Lentz, assim que foi notificado o caso com sintomas característicos ao de dengue, há cerca de uma semana, os Agentes de Controle de Endemias realizaram uma Pesquisa Vetorial Especial (para analisar a existência de larvas), e posterior aplicação de larvicida, além de inseticida, para eliminar o mosquito. A medida foi realiza em um espaço que envolveu aproximadamente seis quarteirões ao redor da casa do paciente. “Foram tomadas as providências necessárias”, afirma.
Ações de controle – Por meio da Vigilância Ambiental são realizadas ações permanentes de controle do mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença. Entre as atividades estão mutirões de limpeza e de conscientização da população, que envolve também a participação de entidades e instituições do município e pessoas da comunidade, aplicação de inseticida, bem como campanhas na imprensa.
No sábado, 5, acorreu novo mutirão de prevenção à dengue. Aproximadamente 120 pessoas se mobilizaram para a ação, entre eles Agentes Comunitários de Saúde, Agentes de Controle de Endemias, do Hospital de Caridade de Ijuí e do 27º GAC. A atividade foi desenvolvida junto aos locais onde estava sendo realizada a vacinação contra a Influeza, e em outros pontos de grande circulação de pessoas, como mercados. Na oportunidade foi entregue material informativo e feita orientação sobre o combate ao mosquito.
O que fazer para evitar – Para combater o mosquito é necessária a sensibilização da comunidade. Todo cidadão pode fazer sua parte eliminando matérias que podem se tornar criadouros do mosquito, como latas, garrafas, plástico, garrafas PET, potes de flores, pneus, vidros, embalagens descartáveis e potes plásticos, entre outros que possam acumular água.
Fonte: http://www.ijui.rs.gov.br/noticia/index/19440

PRÓXIMO AO ACONTECIMENTO DE DOIS GRANDES EVENTOS ESPORTIVOS MUNDIAIS O #BRASIL AINDA NÃO TEM SOLUÇÕES

Solução simples, fácil e barata

Em Los Angeles, linhas de ônibus são interconectadas com o metrô. Isso facilita muito a vida de quem mora longe. A mobilidade urbana precisa de ideias como estas e o Brasil precisa melhorar o panorama da mobilidade urbana. Dois grandes eventos mundiais estão prestes a  acontecer no Brasil, a Copa do Mundo em 2014 e as Olimpíadas em 2016,  durante estes dois acontecimentos, todos os olhares do planeta estarão voltados para o Brasil. A vitrine do país irá depender dos bons exemplos que existem aqui, ou os maus exemplos serão vitrine.  É por esse motivo que as ações  para promover melhorias melhorias se tornam cada vez mais urgentes. Esse tipo de acontecimento atrai espectadores de todo o mundo e aumenta ainda mais o número de pessoas na zona urbana o que, para um sistema de tráfego despreparado, pode acarretar em um grande colapso.

Imagens: http://www.flickriver.com/photos/raymondyue/sets/72157625083176648/ http://www.greenforwardblog.com/2011/02/la-bus-story.html