#Violência nas #cidades: a rotina do medo.

Aposentado Mário Paim faz apelo público em busca de mais segurança Foto: Emílio Pedroso / Agencia RBS

Equipe de segurança particular, seguro do carro, seguro de casa, seguro de vida, rastreamento via satélite, porteiro quantos recursos mais o cidadão precisa pagar, além dos impostos obrigatórios, em busca de um pouco de segurança? E quem não tem condições financeiras para contratar estes serviços? O poder aquisitivo da população cresceu, afirma o governo federal, mas as despesas para obter um pouco de qualidade de vida cresceram em proporções muito maiores. A indústria da segurança é um exemplo típico desta afirmação, muitas empresas particulares estão surgindo por que o poder público não consegue dar garantia de segurança aos cidadãos. A discussão é longa, podemos começar pelos presídios, afinal as estadias dos bandidos por lá são cada vez mais curtas. Mas o que mais preocupa mesmo é o fato de sair ou chegar em casa e ser brutalmente assassinado, estuprado e de praxe assaltado. O desespero, essa é a melhor palavra para a situação, o desespero faz com que a população tome atitudes como a de colocar faixas em frente às suas casas para tentar chamar a atenção do governo através da imprensa.

Encurralados pela violência, moradores usam faixas e cartazes em apelo por mais segurança na capital gaúcha
Pedidos de socorro escancaram o desespero dos cidadãos, mas acabam tendo pouco efeito prático

Além de grades, alarmes e câmeras de vigilância, a violência vem acrescentando “um item de segurança” à entrada de casas e prédios da Capital: faixas com pedidos de socorro por escrito.

As manifestações se reproduzem há mais de uma década, sensibilizam as autoridades e fazem ações serem adotadas de imediato, mas as medidas têm vida curta. Passado um determinado período, o assunto deixa de ser prioridade e a situação volta ao que era antes, ensejando novos protestos como o mais recente deles, na Rua Portugal.

Mas, afinal, resolve ou não apelar para esse tipo de expediente? Para quem estuda as relações sociais entre comunidades e o poder público, como o sociólogo Juan Mario Fandino Mariño, a resposta é sim e, ao mesmo tempo, não.

— Faço uma analogia com o corpo humano. É bom ter febre? Não. Mas ela serve para indicar que há um problema que o corpo não pode resolver sozinho. O protesto é a maneira mais eficiente das comunidades pedirem ajuda. Elas não têm mais o que fazer pela falta de uma ligação estreita com as polícias e com a Justiça. Se colocar faixas resolve o problema por pouco tempo, pior seria sem elas — analisa o professor.

Exemplo disso é o que acontece na Rua Portugal, uma via de 1,4 mil metros entre os bairros São João e Higienópolis, castigada pela ação de bandidos por ter acesso fácil a vias de grande fluxo e rotas de fugas da Capital como a Avenida Assis Brasil.

A saga da Portugal se deve, em grande parte, aos ladrões de carro. Até outubro, a média de veículos levados por criminosos chegava a sete por mês. Naquela época, o roubo de um EcoSport ganhou destaque nacional (leia ao lado). Dias depois, um morador escapou de ser morto a tiros ao fugir dando marcha a ré por uma quadra.

Alarmada, a comunidade criou o Conselho de Segurança da Rua Portugal. Foram estendidas 30 faixas de protestos – bancadas por um morador dono de gráfica – diante de moradias. Organizou-se uma passeata.

O movimento provocou reações. O 11º Batalhão de Polícia Militar se reuniu com moradores e reforçou o policiamento. Números de telefones direto com o quartel mais próximo foram deixados com moradores e comerciantes, e os índices de assaltos despencaram. Parte das faixas por segurança foram recolhidas, mas tiveram de ser penduradas novamente. Na quinta-feira, eram 16.

— A gente até já conhecia os PMs. Sempre estavam por aqui. Mas, a partir de dezembro, não se viu mais policiamento, e os assaltantes voltaram — lamenta Rodrigo Noll, 23 anos, dono de agência de viagens.

Em meados de janeiro, uma mulher foi rendida por um criminoso armado com uma faca no portão de um prédio e acabou violentada. Às 18h de sexta-feira, dois bandidos armados limparam o caixa de uma mercearia e levaram celular e pertences.

— Houve descaso da BM. Ligamos na hora para os dois números dos batalhões que nos passaram e falaram que já estavam indo. Às 21h, telefonamos novamente, mas para o 190, e disseram que nem estava registrado nosso pedido de ajuda — reclama a comerciante Milla Meleu.

Ontem, integrantes do Conselho de Segurança se reuniram para projetar novas manifestações.

— Mesmo que os PMs tenham parado de passar, o que não pode é a gente parar de reivindicar — afirma o comerciante Paulo Cunha, 59 anos, que contabiliza quatro assaltos sofridos por familiares e pendurou na frente de casa uma cartaz contendo uma cruz e a frase “Aqui jaz segurança”.

— Infelizmente, essas coisas só funcionam sob pressão – acrescenta o aposentado Mário Antônio Mota Paim, 61 anos.

Fonte: http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/policia/noticia/2012/03/encurralados-pela-violencia-moradores-usam-faixas-e-cartazes-em-apelo-por-mais-seguranca-na-capital-3689609.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s